Pular para o conteúdo principal

Pelo direito de "torcer"

Atualização: o verbo que traduz as manifestações de encorajamento de um grupo a uma pessoa ou time no português do Brasil é torcer. O que é bastante pitoresco. Torcer remete ao tempo em que as pessoas assistiam aos campeonatos de regatas e balançavam lenços  (muitas vezes de forma  sincronizadas, como um espetáculo de encorajamento). Quando as coisas ficavam tensas, o público começa a torcer os lenços.

As pessoas  não entendem porque os brasileiros choram por um jogo. Debocham, compartilham fotos dos chorões, tolos, torcedores que torcem  por "nada". A sabedoria da internet, nos inunda com uma  série de ótimas frases. As dos ingleses são as melhores, talvez porque eles já estejam acostumados a perder no jogo que inventaram:  "aos invés de chorar por suas crianças famintas, eles choram por um jogo". Essa frase é tão cínica e estúpida ao mesmo tempo que certamente não vou conseguir responder como deveria.

Ao falar em "suas crianças", o comentário limpa a consciência do inglês da pobreza no mundo. Como se estivesse a dizer: as crianças inglesas  estão saudáveis e bem alimentadas; se existe alguma criança morrendo de fome, claro que não é no meu mundo. Talvez seja assim que o inglês, com sua moral sublime, consiga dormir à noite com toda a pobreza nos países de terceiro mundo. A África, por exemplo, não fica no planeta Terra. Quer dizer, não no planeta Terra inglês: Earth. "No kid hungry on the Earth, of course my dear".

Mas deixando o cinismo de lado, a frase coloca que o mundo não é governado pela razão. Qual a razão de se chorar por uma história de  ficção escrita, contada ou encenada? Nenhuma, não é? As pessoas perdem tanto tempo com arte e entretenimento, para que? "E as crianças sofrendo?"
O que enche os pubs ingleses a noite? Seriam atividades relacionadas  a caridade ou  elevação intelectual? O que leva o avanço do consumo de drogas dos jovens? Para alguns, a estupidez é a explicação fácil; como se a vida fosse um problema simplíssimo, óbvio, boçal.

Assim como para qualquer pessoa inteligente com um mínimo de sensibilidade, futebol é um jogo emocionante. Sim, emociante, surpreendente, e de acordo com os americanos mais loucos, é um jogo contra os valores capitalistas:  porque as pessoas que não tiveram o "mérito" de nascer nos "melhores" países competem em igualdade com os "melhores" nascidos e os indivíduos, por melhores que sejam, são bem pouco comparados com o coletivo.

Bom, para o brasileiro, futebol é muito mais do que um jogo emocionante. É um patrimônio cultural nacional. Quem morou no Brasil sabe como o futebol permeia a nação. No mundo robótico onde as pessoas não são permitidas jogar, assistir jogos e blarg... torcer, nada disso pode fazer sentido mas no Brasil as pessoas sofrem pelos seus times, assim como as pessoas sofrem pelos seus melhores personagens nas suas ficções preferidas. O Brasil tem histórias de futebol que precedem a história das copas. Basta lembrar que a "seleção" participou de todas as edições da Copa do mundo.

Tomar uma goleada em "casa" é doloroso para o brasileiro porque de certa forma é sentir parte de seu patrimônio cultural ser perdido, no mínimo ferido. O medo de o Brasil ser grande no futebol apenas na história corrói  sua alma que agora tenta deglutir o prato indigesto de realidade servido em sete doses pelos alemães. Os intelectualóides e os falsos filantropos que me perdoem, mas o brasileiro tem direito sim de sofrer pelo futebol.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Um texto pós-moderno - better man

Espere olhando para as horas... são 4 horas. Tem que parar. Nesse tom melancólico, começa a modesta música "better man", uma balada pop composta por Eddie Vedder ainda na adolescência. A música é a ilustração perfeita da ironia. O próprio título é irônico, uma vez que em momento algum na música aparece um better man. She lies and says she's in love with him, can't find a better man... Irônico, não!? Para começar, com a personagem central da história, a mulher que aguarda tarde da noite seu esposo... Ela chega a treinar com o espelho o fim do relacionamento. E o que faz? Diz a negação do que queria dizer. Vedder escreve músicas sobre sentimentos fortes. Sua relação com a mãe foi bastante complicada pelo o que descreve em suas canções. Na trilogia Mommy, Vedder descreve um homem perturbado com o relacionamento materno; a mãe mente para o filho sobre a identidade do pai, revela a verdade para o garoto na puberdade dizendo a ele como se parece com o verdadeiro pai e o

Pequeno manual do ócio em terras alemãs

  Pequeno manual do ócio em terras alemãs Como Lei alemã favorece aproveitadoras (e alguns aproveitadores que nunca tive o desprazer de conhecer)   Há algumas vias pelas quais pessoas de países em desenvolvimento migram para países como a Alemanha.   Por exemplo, é sabido que países desenvolvidos sofrem de escassez de mão-de-obra qualificada. Por esse motivo, países como a Alemanha dispõe vistos "especiais" para profissionais em demanda. Esse é o conceito do Blaukart (Blue Card) que na Alemanha se destina a profissionais salário anual seja superior a 55 mil euros ou 43 mil no caso de profissionais de áreas em alta demanda. Não há como recrutar essa mão-de-obra sem que a família desses profissionais também possa ser relocada. Então esses profissionais e seus familiares são relocados.   Além de se qualificar para essas vagas em demanda, ou ser parte direta da família qualificada, outra via possível para a imigração para o território alemão é através do matrimôni

Answering: top reasons I hate living in Brazil

Yes, some guys shared a teasing topic about “Top reasons why I hate living in Brazil”: http://www.gringoes.com/forum/forum_posts.asp?TID=17615&PN=1&title=top-reasons-i-hate-living-in-brazil What is the point here? The whole text is loaded of cliclés, people that you will hardly find, etc most of time just pissing people off.   I don’t think Brazil is the best country in the world. Also, I don’t think Brazilians don’t make mistakes. Actually we do all the time but most of us really care about our mistakes specially those were pointed out. Some feel like an expatriate, alien in own country. Others reflect about how we could improve. Others  simply don’t accept teases from John Does. So, I’m actually truly bothered with people believing in a bunch of false statements (specially Brazilians) or supporting some cynical arguments disguised “sincere” criticisms . Yes, I make mistakes all the time, and as most of Brazilians, I don’t speak English. However, I will