Pular para o conteúdo principal

Pelo direito de "torcer"

Atualização: o verbo que traduz as manifestações de encorajamento de um grupo a uma pessoa ou time no português do Brasil é torcer. O que é bastante pitoresco. Torcer remete ao tempo em que as pessoas assistiam aos campeonatos de regatas e balançavam lenços  (muitas vezes de forma  sincronizadas, como um espetáculo de encorajamento). Quando as coisas ficavam tensas, o público começa a torcer os lenços.

As pessoas  não entendem porque os brasileiros choram por um jogo. Debocham, compartilham fotos dos chorões, tolos, torcedores que torcem  por "nada". A sabedoria da internet, nos inunda com uma  série de ótimas frases. As dos ingleses são as melhores, talvez porque eles já estejam acostumados a perder no jogo que inventaram:  "aos invés de chorar por suas crianças famintas, eles choram por um jogo". Essa frase é tão cínica e estúpida ao mesmo tempo que certamente não vou conseguir responder como deveria.

Ao falar em "suas crianças", o comentário limpa a consciência do inglês da pobreza no mundo. Como se estivesse a dizer: as crianças inglesas  estão saudáveis e bem alimentadas; se existe alguma criança morrendo de fome, claro que não é no meu mundo. Talvez seja assim que o inglês, com sua moral sublime, consiga dormir à noite com toda a pobreza nos países de terceiro mundo. A África, por exemplo, não fica no planeta Terra. Quer dizer, não no planeta Terra inglês: Earth. "No kid hungry on the Earth, of course my dear".

Mas deixando o cinismo de lado, a frase coloca que o mundo não é governado pela razão. Qual a razão de se chorar por uma história de  ficção escrita, contada ou encenada? Nenhuma, não é? As pessoas perdem tanto tempo com arte e entretenimento, para que? "E as crianças sofrendo?"
O que enche os pubs ingleses a noite? Seriam atividades relacionadas  a caridade ou  elevação intelectual? O que leva o avanço do consumo de drogas dos jovens? Para alguns, a estupidez é a explicação fácil; como se a vida fosse um problema simplíssimo, óbvio, boçal.

Assim como para qualquer pessoa inteligente com um mínimo de sensibilidade, futebol é um jogo emocionante. Sim, emociante, surpreendente, e de acordo com os americanos mais loucos, é um jogo contra os valores capitalistas:  porque as pessoas que não tiveram o "mérito" de nascer nos "melhores" países competem em igualdade com os "melhores" nascidos e os indivíduos, por melhores que sejam, são bem pouco comparados com o coletivo.

Bom, para o brasileiro, futebol é muito mais do que um jogo emocionante. É um patrimônio cultural nacional. Quem morou no Brasil sabe como o futebol permeia a nação. No mundo robótico onde as pessoas não são permitidas jogar, assistir jogos e blarg... torcer, nada disso pode fazer sentido mas no Brasil as pessoas sofrem pelos seus times, assim como as pessoas sofrem pelos seus melhores personagens nas suas ficções preferidas. O Brasil tem histórias de futebol que precedem a história das copas. Basta lembrar que a "seleção" participou de todas as edições da Copa do mundo.

Tomar uma goleada em "casa" é doloroso para o brasileiro porque de certa forma é sentir parte de seu patrimônio cultural ser perdido, no mínimo ferido. O medo de o Brasil ser grande no futebol apenas na história corrói  sua alma que agora tenta deglutir o prato indigesto de realidade servido em sete doses pelos alemães. Os intelectualóides e os falsos filantropos que me perdoem, mas o brasileiro tem direito sim de sofrer pelo futebol.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Um texto pós-moderno - better man

Espere olhando para as horas... são 4 horas. Tem que parar. Nesse tom melancólico, começa a modesta música "better man", uma balada pop composta por Eddie Vedder ainda na adolescência. A música é a ilustração perfeita da ironia. O próprio título é irônico, uma vez que em momento algum na música aparece um better man.

She lies and says she's in love with him, can't find a better man...

Irônico, não!? Para começar, com a personagem central da história, a mulher que aguarda tarde da noite seu esposo... Ela chega a treinar com o espelho o fim do relacionamento. E o que faz? Diz a negação do que queria dizer.

Vedder escreve músicas sobre sentimentos fortes. Sua relação com a mãe foi bastante complicada pelo o que descreve em suas canções. Na trilogia Mommy, Vedder descreve um homem perturbado com o relacionamento materno; a mãe mente para o filho sobre a identidade do pai, revela a verdade para o garoto na puberdade dizendo a ele como se parece com o verdadeiro pai e o leva …

Pequeno manual do ócio em terras alemãs

Pequeno manual do ócio em terras alemãsComo Lei alemã favorece aproveitadoras (e alguns aproveitadores que nunca tive o desprazer de conhecer)Há algumas vias pelas quais pessoas de países em desenvolvimento migram para países como a Alemanha.Por exemplo, é sabido que países desenvolvidos sofrem de escassez de mão-de-obra qualificada. Por esse motivo, países como a Alemanha dispõe vistos "especiais" para profissionais em demanda. Esse é o conceito do Blaukart (Blue Card) que na Alemanha se destina a profissionais salário anual seja superior a 55 mil euros ou 43 mil no caso de profissionais de áreas em alta demanda. Não há como recrutar essa mão-de-obra sem que a família desses profissionais também possa ser relocada. Então esses profissionais e seus familiares são relocados.Além de se qualificar para essas vagas em demanda, ou ser parte direta da família qualificada, outra via possível para a imigração para o território alemão é através do matrimônio. Como vivemos num mundo d…

O argumento anti-álcool

A lógica contra a produção do álcool é mais ou menos a seguinte:

Os produtores capitalistas, produtores do combustível de humanos e máquinas irão preferir vender combustível mais caro para os mais ricos do que comida barata para os mais pobres. Máquinas e homens irão competir por combustível... Mas enquanto os ricos terão dinheiro para comprar comida e combustível o que sobrará aos pobres!? Vale lembrar que não importa se a produção é de cana ou de milho, a competição é pela terra e não pelo grão. Ainda, mesmo que o país agrícola taxe o produtor de combustível de maneira diferenciada ao produtor de comida, o governo teria maiores dificuldades em repartir o "bolo", haja vista que os governos que temos não são as instituições mais eficientes e, além do que, a comida estará mais cara.

Ora, esquecem os "amigos" comunistas que a venda de biocombustível dará aos países agrícolas uma oportunidade ímpar de participar da economia mundial como protagonistas, e não meros figura…