Pular para o conteúdo principal

Ciência do Trânsito

Com todo a tecnologia que mudou a sua paisagem, o homem moderno se acostumou a olhar o congestionamento como apenas mais uma mazela urbana. Encontrar certas vias engarrafadas no final das tardes ou no começo da manhã se tornou uma rotina. Mas compreender o funcionamento dessa complexa rede de transporte afim de propor alternativas coerentes e eficientes não é uma tarefa para qualquer um.

Motivados por isso, engenheiros, cientistas e urbanistas começaram a estudar o trânsito como uma ciência. Essa é origem do livro A física do trânsito do especialista na teoria de trânsito veicular, Boris Kerner, físico pesquisador da Daimler Chrysler na Alemanha. No livro, Kerner explica que o princípio da teoria do trânsito está na definição de três fase para o trânsito.

A primeira é o que ele chama de fluxo livre (do inglês, free flow). Nas condições de fluxo livre, o motorista pode escolher a velocidade e o comportamento que desejar. Mesmo que um motorista trafegue em velocidade mais lenta, outros motoristas conseguem se desviar dele.



Se a quantidade de veículos aumenta, os motoristas não terão opção senão guiar na mesma velocidade do carro mais lento da pista, porque para evitar colisões, os veículos guiam em velocidade igual ou inferior ao veículo a frente ou tentam escolher uma pista em melhor situação. Com o número de veículos suficiente, todos as pistas estarão em situação semelhante. O fluxo já não é livre, mas é sincronizado (synchronised flow). Todos juntos, a uma velocidade sincronizada, eventualmente chegam a algum lugar. Como a avenida Rebouças, em São Paulo, pouco antes do horário de pico. Os carros seguem lado a lado, quase encostados em seus vizinhos. A velocidade beira os 40km/h, mas, considerando o caos subseqüente, que pode (e normalmente vai) se instaurar, está ótimo. Nessa hora o motorista tem a noção desesperadora de que, se ocorrer um acidente ali na frente, o trânsito terá problemas, mas segue otimista, com fé na ordem natural das coisas.





No entanto, esse mesmo equilíbrio delicado pode ser abruptamente interrompido por, digamos, um eventual pneu furado em algum veículo. A partir desse instante, o trânsito se torna instável e o que Boris Kerner chama de congestionamentos dinâmicos (moving jams) começam a emergir. Os veículos se movem durante breves intervalos e voltam a esperar o movimento dos veículos da frente ou pela luz verde do semáforo.


É interessante notar como os físicos comparam os veículos com partículas conscientes. Diferente das moléculas, os veículos evitam colisões enquanto tentam se mover. Esse esforço para atingir seus destinos e evitar colisões agem de forma similar as forças de atração causadas pelas pontes de hidrogênio na água. Isso sugere que a densidade de veículos tem efeito semelhante ao calor na água. Se o calor aumenta, as partículas se movem mais rapidamente até que as pontes de hidrogênio não consigam mais aglutinar as moléculas levando ao estado gasoso. Quando as moléculas de água cedem energia, as forças de coesão acabam aglutinando as moléculas, primeiro para o estado líquido e por fim para o estado sólido.

A analogia serve ao trânsito como uma luva. No fluxo livre, os veículos agem como se estivessem no estado gasoso, bastante disperso, e com liberdade de movimentos e velocidades bem diferentes. No fluxo sincronizado, os veículos seguem em velocidades similares como um líquido escoando e no congestionamento, os veículos se movem como o teto de uma caverna de gelo que parte degela e enquanto outra parte congela.

Para saber mais:

- http://physicsworld.com/cws/article/print/996

- http://www.thp.uni-koeln.de/~as/Mypage/traffic.html

- http://en.wikipedia.org/wiki/Fundamental_diagram_of_traffic_flow

- http://en.wikipedia.org/wiki/Three_phase_traffic_theory

Editado: Analogia com a água e referências.

Comentários

Unknown disse…
Ae Rodrigo. Gostei do artigo, mas fiquei querendo mais :). Vc vai escrever mais sobre o assunto?

A última coisa legal que eu vi nessa área foi esse videozinho da universidade de nagoya: http://www.youtube.com/watch?v=Suugn-p5C1M ?

Ele mostra como congestionamentos podem ocorrer "espontâneamente" mesmo num trajeto livre.

Postagens mais visitadas deste blog

Um texto pós-moderno - better man

Espere olhando para as horas... são 4 horas. Tem que parar. Nesse tom melancólico, começa a modesta música "better man", uma balada pop composta por Eddie Vedder ainda na adolescência. A música é a ilustração perfeita da ironia. O próprio título é irônico, uma vez que em momento algum na música aparece um better man. She lies and says she's in love with him, can't find a better man... Irônico, não!? Para começar, com a personagem central da história, a mulher que aguarda tarde da noite seu esposo... Ela chega a treinar com o espelho o fim do relacionamento. E o que faz? Diz a negação do que queria dizer. Vedder escreve músicas sobre sentimentos fortes. Sua relação com a mãe foi bastante complicada pelo o que descreve em suas canções. Na trilogia Mommy, Vedder descreve um homem perturbado com o relacionamento materno; a mãe mente para o filho sobre a identidade do pai, revela a verdade para o garoto na puberdade dizendo a ele como se parece com o verdadeiro pai e o

Pequeno manual do ócio em terras alemãs

  Pequeno manual do ócio em terras alemãs Como Lei alemã favorece aproveitadoras (e alguns aproveitadores que nunca tive o desprazer de conhecer)   Há algumas vias pelas quais pessoas de países em desenvolvimento migram para países como a Alemanha.   Por exemplo, é sabido que países desenvolvidos sofrem de escassez de mão-de-obra qualificada. Por esse motivo, países como a Alemanha dispõe vistos "especiais" para profissionais em demanda. Esse é o conceito do Blaukart (Blue Card) que na Alemanha se destina a profissionais salário anual seja superior a 55 mil euros ou 43 mil no caso de profissionais de áreas em alta demanda. Não há como recrutar essa mão-de-obra sem que a família desses profissionais também possa ser relocada. Então esses profissionais e seus familiares são relocados.   Além de se qualificar para essas vagas em demanda, ou ser parte direta da família qualificada, outra via possível para a imigração para o território alemão é através do matrimôni

O argumento anti-álcool

A lógica contra a produção do álcool é mais ou menos a seguinte: Os produtores capitalistas, produtores do combustível de humanos e máquinas irão preferir vender combustível mais caro para os mais ricos do que comida barata para os mais pobres. Máquinas e homens irão competir por combustível... Mas enquanto os ricos terão dinheiro para comprar comida e combustível o que sobrará aos pobres!? Vale lembrar que não importa se a produção é de cana ou de milho, a competição é pela terra e não pelo grão. Ainda, mesmo que o país agrícola taxe o produtor de combustível de maneira diferenciada ao produtor de comida, o governo teria maiores dificuldades em repartir o "bolo", haja vista que os governos que temos não são as instituições mais eficientes e, além do que, a comida estará mais cara. Ora, esquecem os "amigos" comunistas que a venda de biocombustível dará aos países agrícolas uma oportunidade ímpar de participar da economia mundial como protagonistas, e não meros fi