Pular para o conteúdo principal

Apple não é o dono da Bola

Tem uma anedota que ilustra bem como o que a Apple e o Android OS significam no mercado de smartphones e tablets.

Todas as tardes, o pessoal saía para jogar bola num campinho próximo ao centro. O encontro não era formal, não havia hora combinada, não sabíamos quem compareceria nem quem iria trazer a bola. Na verdade a questão da bola costumava ser a mais problemática.  As mães não gostavam que levássemos a bola novinha  para se perder no meio do mato ou coisas assim. Mas tentávamos o possível para sempre ter uma bola ali.

Em alguns casos, aparecia um moleque mimado que, por estar ele com uma bola, deixávamos que ele participasse do racha. Geralmente esses moleques não suportavam a primeira dividida e ameaçavam levar a preciosa redonda caso fossem contrariados. Evitávamos esse mal estar: quando encontrávamos essa situação, tolerávamos o cidadão o máximo possível.

Foi então um dia que cheguei um pouco mais tarde que o habitual e o jogo já havia começado. E era um daqueles dias que tinha um moleque mimado jogando. Um que eu nunca tinha visto antes e que era especialmente insuportável. Reclamava de tudo e de todos. O pessoal não acreditava na folga dele. E como de costume, procurávamos não pegar pesado. Até que alguém da turma grita: "pessoal, eu tenho que ir embora mas depois vocês podem levar a bola lá para casa".

'Hein!? Pára tudo! Então a bola não é daquele moleque???' _ dava para ouvir o pensamento das pessoas ali. Olhávamos uns para a cara do outros incrédulos que havíamos suportando aquele estorvo por tanto tempo.

Mas foi o que bastou...A partir daquele momento o pobre não conseguiu mais tocar na bola. Sempre havia alguém para dar um esbarrãozinho nele e fazê-lo voar uns 3 metros para frente. "Foi na bola!", "Foi mal!", etc.
-----

O Android OS é justamente alguém gritando: "a bola pode ficar aqui. Joguem a vontade". Será que os mimadinhos da Apple vão continuar jogando do mesmo jeito???


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Expressões, preconceito e racismo

Expressões preconceituosas e racistas Antes de alguma outra frase, primeiro peço licença para falar de mais um assunto do qual não domino. Falo por acreditar que um leigo presta serviço maior ao debater assunto com base em fontes (ainda que seja uma Wikipedia) e no pensamento lógico do que simplesmente se manter mudo a questões do cotidiano. Em voga agora está em falar quais são ou eram as expressões preconceituosas e racistas que até a pouco eram toleradas em muitos meios.
Como é covarde dizer que em boca fechada não entra racismo. O racismo não é perpetrado apenas por quem profere mas por quem se cala à agressão perpetrada a outrem. Mas veremos que a questão é muito mais complexa que os cães raivosos do politicamente correto querem dizer.
Tomo aqui a palavra racista, como sendo algo usado para impor a dominação de uma “raça” sobre outra. Portanto, a acusação de racismo vai muito além da mera acusação de preconceito. Não tenho o menor apreso por vitimismo barato, onde expressões que…

Um texto pós-moderno - better man

Espere olhando para as horas... são 4 horas. Tem que parar. Nesse tom melancólico, começa a modesta música "better man", uma balada pop composta por Eddie Vedder ainda na adolescência. A música é a ilustração perfeita da ironia. O próprio título é irônico, uma vez que em momento algum na música aparece um better man.

She lies and says she's in love with him, can't find a better man...

Irônico, não!? Para começar, com a personagem central da história, a mulher que aguarda tarde da noite seu esposo... Ela chega a treinar com o espelho o fim do relacionamento. E o que faz? Diz a negação do que queria dizer.

Vedder escreve músicas sobre sentimentos fortes. Sua relação com a mãe foi bastante complicada pelo o que descreve em suas canções. Na trilogia Mommy, Vedder descreve um homem perturbado com o relacionamento materno; a mãe mente para o filho sobre a identidade do pai, revela a verdade para o garoto na puberdade dizendo a ele como se parece com o verdadeiro pai e o leva …

Filme: Obrigado Por Fumar

Obrigado Por Fumar (Thank you for Smoking) - 2006Filme escrito e dirigido por Jason Reitman, produzido por David Sacks e baseado na novela de Christopher Buckley. Duração de 92 minutos.
"Obrigado Por Fumar" é um aclamado filme, vencedor do globo de ouro 2006 e sucesso em bilheterias (com faturamento superior a 39 milhões de dólares). O filme conta a história de Nick Naylor (Aaron Eckhart), vice-presidente da empresa Academia do Estudo do Tabaco, um lobby da indústria tabagista, e como ele usa suas habilidades de persuação para defender os interesses de seus superiores.
Direção muito interessante: ao contrário do que se pode esperar, o filme não mostra um quadro contaminado por fumaça em que o próprio telespectador tenha dificuldades em respirar. Aliás, o filme não mostra nehuma pessoa fumando. Também não faz uma crítica raivosa à indústria do cigarro. Seus argumentos são sutis, inteligentes e bem-humorados. Mas, a mensagem não passa despercebida pelo público, apenas não o agri…