Pular para o conteúdo principal

Invasão na USP


Tudo começou com os policiais abordando três estudantes que portavam alguns baseados. Não seria provocação fumar na cara dos policiais? O que parece que a Universidade é um feudo, e dentro da Universidade as leis são diferentes. Bom, não é. Mas nem todas as leis são corretas. 

Não é porque a lei existe que ela é justa. Cabe sim aos universitários questionar as leis. E veja, eu não defendo o uso das drogas nem a discriminalização do seu comércio. Mas defendo o direito de se debater isso de forma civilizada. O que nos leva de volta ao ocorrido na USP.  Sim, a polícia é um forte instrumento de coerção. Seria legal ser levado a delegacia porque você "estacionou" em lugar proibido? Não parece exagero, excesso de força!? Então, o que essa ala revolucionária ultrajovem por meio da assembleia (antidemocrática) dos estudantes propõe é que a vigilância seja exercida pela guarda universitária e não pela PM (bom… é uma solicitação razoável).

O diabo é que a USP convive com com uma violência assustadora. É fácil cometer todo tipo de crime e fugir por uma das diversas portas não mais vigiadas da USP.  Não mais vigiadas porque a bandidagem é tão grande que não é "seguro" para a guarda universitária vigiar essas portas (não para o contigente nem  para as armas que ela dispõe). A USP está a mercê de bandidos que residem nas  comunidades carentes que orbitam sua existência. Bandidos existem em todos lugares, mas a desigualdade social, a pobreza, a exclusão social e uma série de outros fatores acabam por fazer que as comunidades mais carentes mais expostos ao crime, principalmente a criminalidade violenta. 

Não que a USP deva ser uma exceção e ter o privilégio de não compartilhar das mesmas mazelas da sociedade, principalmente a vizinha. São então os estudantes da USP melhores que os moradores da São Remo? Ocorre que nossa sociedade não "democratiza"  todas as suas coisas. A USP em si é um ótimo exemplo de exclusão social. A maior parte da verba destinada a educação é dirigida a instituições como ela da qual apenas uma ínfima fração da sociedade pode aproveitar. Uma vez que temos essa incongruência estabelecida seria ainda errado não zelar pelos recursos estão em parte concentrados nela, incluindo o humano.

De volta ao feudo que criamos,  a USP como uma extensão dos condomínios  da classe média. Sem a segurança devida, a USP é de fato uma gorda oferta aos petralhas. Fácil de entrar, fácil de sair, fácil acesso para "favelas", e várias alvos potenciais. Inclusive alguns estudantes de forma mais direta alimentam o crime assim como esses alimentam seus vícios. Então, ok, todos querem segurança (na USP) mas será que não é ingénuo achar que a guarda universitária é capaz de lidar com os problemas da complexidade descrita acima? Que a PM não está perfeitamente capacitada para abordar os estudantes concordamos mas parece pior a situação sem ela.

De onde nos leva ao linchamento público. Reitero minha opinião: não concordo com certas opiniões mas concordo muito que opiniões sejam respeitadas. Isso não é democracia. É um conceito muito maior. Justiça!? Respeito!? Bom, não sei o nome mas diverge daquilo que ocorreu. Já é difícil uma assembleia estudantil em que propostas mais ponderadas vençam e quando isso acontece o pessoal ignora? Para que? Repetir a agressão as autoridades. Forçar uma decisão que não tem o apoio da maioria. Para forçar goela abaixo uma opinião. Essas ações divergem de tudo… dos ideais, da civilidade, de tudo.  Como defender essas atitudes?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Um texto pós-moderno - better man

Espere olhando para as horas... são 4 horas. Tem que parar. Nesse tom melancólico, começa a modesta música "better man", uma balada pop composta por Eddie Vedder ainda na adolescência. A música é a ilustração perfeita da ironia. O próprio título é irônico, uma vez que em momento algum na música aparece um better man. She lies and says she's in love with him, can't find a better man... Irônico, não!? Para começar, com a personagem central da história, a mulher que aguarda tarde da noite seu esposo... Ela chega a treinar com o espelho o fim do relacionamento. E o que faz? Diz a negação do que queria dizer. Vedder escreve músicas sobre sentimentos fortes. Sua relação com a mãe foi bastante complicada pelo o que descreve em suas canções. Na trilogia Mommy, Vedder descreve um homem perturbado com o relacionamento materno; a mãe mente para o filho sobre a identidade do pai, revela a verdade para o garoto na puberdade dizendo a ele como se parece com o verdadeiro pai e o

Pequeno manual do ócio em terras alemãs

  Pequeno manual do ócio em terras alemãs Como Lei alemã favorece aproveitadoras (e alguns aproveitadores que nunca tive o desprazer de conhecer)   Há algumas vias pelas quais pessoas de países em desenvolvimento migram para países como a Alemanha.   Por exemplo, é sabido que países desenvolvidos sofrem de escassez de mão-de-obra qualificada. Por esse motivo, países como a Alemanha dispõe vistos "especiais" para profissionais em demanda. Esse é o conceito do Blaukart (Blue Card) que na Alemanha se destina a profissionais salário anual seja superior a 55 mil euros ou 43 mil no caso de profissionais de áreas em alta demanda. Não há como recrutar essa mão-de-obra sem que a família desses profissionais também possa ser relocada. Então esses profissionais e seus familiares são relocados.   Além de se qualificar para essas vagas em demanda, ou ser parte direta da família qualificada, outra via possível para a imigração para o território alemão é através do matrimôni

O argumento anti-álcool

A lógica contra a produção do álcool é mais ou menos a seguinte: Os produtores capitalistas, produtores do combustível de humanos e máquinas irão preferir vender combustível mais caro para os mais ricos do que comida barata para os mais pobres. Máquinas e homens irão competir por combustível... Mas enquanto os ricos terão dinheiro para comprar comida e combustível o que sobrará aos pobres!? Vale lembrar que não importa se a produção é de cana ou de milho, a competição é pela terra e não pelo grão. Ainda, mesmo que o país agrícola taxe o produtor de combustível de maneira diferenciada ao produtor de comida, o governo teria maiores dificuldades em repartir o "bolo", haja vista que os governos que temos não são as instituições mais eficientes e, além do que, a comida estará mais cara. Ora, esquecem os "amigos" comunistas que a venda de biocombustível dará aos países agrícolas uma oportunidade ímpar de participar da economia mundial como protagonistas, e não meros fi