Pular para o conteúdo principal

A arrogância dos esnobes

Esse texto é uma compilação de uma discussão minha com o +Fabrício Nascimento  sobre o texto: A arrogância segundo os medíocres.

---

Parecer arrogante é uma falha "linguística", falha em especial do emissor. Quando uma mocinha informa que comprou uma xícara numa feira na Colombia, ela está atribuindo valor a xícara. Óbvio! O item é mais difícil de conseguir, reflete a condição diferenciada dessa locutora; apenas aqueles que viajaram para Colômbia teriam acesso a ele.

Se ao contrário, o locutor informar que comprou alguma coisa na 25 de Março está sendo empático e tornando o item acessível (como dizendo que qualquer um poderia te-lo; não há nada que o diferencia).

Mas quem decide o que é ser arrogante? O receptor também faz parte da interpretação da mensagem passada pelo emissor e ele pode muito bem interpretar uma arrogância que não estava presente na mensagem inicial. Nesse caso, pode ser falha linguística, que pode advir tanto da má formulação do locutor, mas também da má interpretação do receptor. A situação manter-se-ia, caso as duas pessoas estivessem segurando um livro, uma delas "50 tons de cinza" e a outra "cien anos de soledad" e a pergunta fosse: o que você está lendo?

Nossa capacidade linguística não é medida por quão erudito é nossa fala, mas quão eficiente nós somos ao comunicar com interlocutores de níveis diferente. Via de regra: Não dá para usar a mesma linguagem com a copeira e com o presidente da empresa. É preciso muito considerar quem é o "leitor" do seu "texto". Voltando ao seu exemplo: quando alguém pergunta qual livro você está lendo, qual é o nível da resposta esperado?

Note que situação pode ter contornos ainda mais gritantes: se a pergunta for "o que você tem feito?", e a pessoa responde "tenho viajado pela Europa", não dá para incriminar o receptor por interpretar o autor como esnobe. Ou o autor conseguiu ser arrogante, ou ele falhou terrivelmente em informar sem parecer ostensivo que, por exemplo, estava de féria e aproveitou para viajar.

É muita ingenuidade achar que ouvir funk e ouvir música clássica é só uma questão de gosto. Ou assistir um filme de arte é o mesmo que assistir um Blockbuster. Não é só opção, escolha. Compreender a arte pode exigir "refinamentos" que nem todas pessoas tiveram acesso. Não dá para achar que você vai falar de um estilo de vida sofisticado com alguém mais humilde sem correr o risco de parecer arrogante. Ai entra o tato. É preciso compreender que essas dificuldades de comunicação podem ocorrer. Enquanto, diga-se de passagem, é incabível um julgamento de valor com base no nível intelectual de uma pessoa.

Louvável é a capacidade de transitar naturalmente entre os diferentes grupos, sem parecer forasteiro, ou arrogante. Os desencontros não acontecem só entre grupos tão distintos como um porteiro e o presidente de uma empresa, mas pode ocorrer entre pai e filho. Há, uma falta grave no esnobe intencional e uma falta "tolerável" no esnobe acidental, aquele que por imperícia ao empregar o modo de comunicação não se pode diferenciar muito bem do primeiro grupo. Mas a diferença está ai, como no direito penal está entre o dolo e a culpa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Expressões, preconceito e racismo

Expressões preconceituosas e racistas Antes de alguma outra frase, primeiro peço licença para falar de mais um assunto do qual não domino. Falo por acreditar que um leigo presta serviço maior ao debater assunto com base em fontes (ainda que seja uma Wikipedia) e no pensamento lógico do que simplesmente se manter mudo a questões do cotidiano. Em voga agora está em falar quais são ou eram as expressões preconceituosas e racistas que até a pouco eram toleradas em muitos meios.
Como é covarde dizer que em boca fechada não entra racismo. O racismo não é perpetrado apenas por quem profere mas por quem se cala à agressão perpetrada a outrem. Mas veremos que a questão é muito mais complexa que os cães raivosos do politicamente correto querem dizer.
Tomo aqui a palavra racista, como sendo algo usado para impor a dominação de uma “raça” sobre outra. Portanto, a acusação de racismo vai muito além da mera acusação de preconceito. Não tenho o menor apreso por vitimismo barato, onde expressões que…

Um texto pós-moderno - better man

Espere olhando para as horas... são 4 horas. Tem que parar. Nesse tom melancólico, começa a modesta música "better man", uma balada pop composta por Eddie Vedder ainda na adolescência. A música é a ilustração perfeita da ironia. O próprio título é irônico, uma vez que em momento algum na música aparece um better man.

She lies and says she's in love with him, can't find a better man...

Irônico, não!? Para começar, com a personagem central da história, a mulher que aguarda tarde da noite seu esposo... Ela chega a treinar com o espelho o fim do relacionamento. E o que faz? Diz a negação do que queria dizer.

Vedder escreve músicas sobre sentimentos fortes. Sua relação com a mãe foi bastante complicada pelo o que descreve em suas canções. Na trilogia Mommy, Vedder descreve um homem perturbado com o relacionamento materno; a mãe mente para o filho sobre a identidade do pai, revela a verdade para o garoto na puberdade dizendo a ele como se parece com o verdadeiro pai e o leva …

Filme: Obrigado Por Fumar

Obrigado Por Fumar (Thank you for Smoking) - 2006Filme escrito e dirigido por Jason Reitman, produzido por David Sacks e baseado na novela de Christopher Buckley. Duração de 92 minutos.
"Obrigado Por Fumar" é um aclamado filme, vencedor do globo de ouro 2006 e sucesso em bilheterias (com faturamento superior a 39 milhões de dólares). O filme conta a história de Nick Naylor (Aaron Eckhart), vice-presidente da empresa Academia do Estudo do Tabaco, um lobby da indústria tabagista, e como ele usa suas habilidades de persuação para defender os interesses de seus superiores.
Direção muito interessante: ao contrário do que se pode esperar, o filme não mostra um quadro contaminado por fumaça em que o próprio telespectador tenha dificuldades em respirar. Aliás, o filme não mostra nehuma pessoa fumando. Também não faz uma crítica raivosa à indústria do cigarro. Seus argumentos são sutis, inteligentes e bem-humorados. Mas, a mensagem não passa despercebida pelo público, apenas não o agri…