Pular para o conteúdo principal

Marilena Chauí e sua auto-crítica

A Marilena Chauí é uma mal compreendida, coitada.

Ela claramente usa seu discurso para insuflar ânimos e, por que não, inflamar seu público, assim como faz um líder militar numa frente de batalha apontando a crueldade do inimigo e porque esse precisa ser aniquilado. Ela, afinal, não está ali recitando um livro de sociologia mas fazendo um discurso político.

Ou, considere como uma apresentação de retórica circense mas bem menos inofensiva. Seu discurso muni seus correligionários com argumentos para abater seus opositores com simplificações, generalizações e distorções que tornam o alvo caricato, ridículo. Infelizmente, um discurso tão pobre e simplista apenas atrapalha uma discussão verdadeira. Mas, quem se importa? Os infelizes correligionários que seguem seu argumento acabam comprando uma série de falácias a despeito de quem é contra suas ideias.

O alvo, o reacionário de direita, é pintando como um cínico, insensível socialmente, (tosco), não politizado, estúpido (pela forma com que trata as pessoas mais pobres, pela forma com que trata o estado, por não enxergar a contradição de não ser a elite e mesmo assim defender os valores da elite, sendo ele mesmo alguém preso a estratificação social). Ainda mais lastimavelmente, ela chama o alvo de "classe média" por ser uma classe de pessoas numa posição intermediária nessa estratificação social, "algo" entre o proletário e o capitalista detentor dos meios de produção. Ela caricatura: pessoas que trabalham com serviços.

Se não fizermos uma leitura muito (mas MUITO) esdrúxula de "classe média", a descrição social, econômica e, porque não, intelectual do alvo é basicamente uma auto-descrição. Marilena Chauí, descreve o grupo a qual ela pertence e por qual ela tem asco. Talvez ela se sentisse melhor abrindo mão do seus salário de professora universitária, mas como ela disse, essa classe não consegue enxergar a contradição em que vive.

Alguns defensores da socióloga podem considerar que classe média foi usado de modo quase que acidental, uma mera apropriação de um termo para chamar a atenção contra seu alvo. Aqueles que são da classe média e não são parte do alvo são as exceções e já estão "salvos". Isso tudo é falso! Classe média é usada como recurso linguístico para diminuir o conjunto de quem não concorda com suas ideias. Ao atribuir o pensamento a classe média, Chauí está se apropriando do que seria a voz coletiva dos menos abastadas como se ela fosse um paladino da verdade, uma legítima representante das massas e o inimigo, as classes mais abastadas fossem o inimigo a impedir sua cruzada. O inimigo mais próximo, seus pares sociais, são jogados logo a frente do trator de justiça movido pelo rancor social. Dessa forma, ela cobre o fato de pessoas mais humildes também poderem discordar de sua verborragia e mais, poderem eles mesmo serem atores reacionários de direita.

Eu realmente acredito que ela saiba disso, e ela utiliza essa linguagem, esse discurso de propósito, de forma desleal e maliciosa.  Fora isso, é de uma arrogância sem tamanho acreditar que seu discurso é tão perfeito que o que resta é tosco, vil, asqueroso. É provável que Marilena Chauí tenha um espelho em casa, as pessoas que ainda não sabem.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Um texto pós-moderno - better man

Espere olhando para as horas... são 4 horas. Tem que parar. Nesse tom melancólico, começa a modesta música "better man", uma balada pop composta por Eddie Vedder ainda na adolescência. A música é a ilustração perfeita da ironia. O próprio título é irônico, uma vez que em momento algum na música aparece um better man.

She lies and says she's in love with him, can't find a better man...

Irônico, não!? Para começar, com a personagem central da história, a mulher que aguarda tarde da noite seu esposo... Ela chega a treinar com o espelho o fim do relacionamento. E o que faz? Diz a negação do que queria dizer.

Vedder escreve músicas sobre sentimentos fortes. Sua relação com a mãe foi bastante complicada pelo o que descreve em suas canções. Na trilogia Mommy, Vedder descreve um homem perturbado com o relacionamento materno; a mãe mente para o filho sobre a identidade do pai, revela a verdade para o garoto na puberdade dizendo a ele como se parece com o verdadeiro pai e o leva …

Pequeno manual do ócio em terras alemãs

Pequeno manual do ócio em terras alemãsComo Lei alemã favorece aproveitadoras (e alguns aproveitadores que nunca tive o desprazer de conhecer)Há algumas vias pelas quais pessoas de países em desenvolvimento migram para países como a Alemanha.Por exemplo, é sabido que países desenvolvidos sofrem de escassez de mão-de-obra qualificada. Por esse motivo, países como a Alemanha dispõe vistos "especiais" para profissionais em demanda. Esse é o conceito do Blaukart (Blue Card) que na Alemanha se destina a profissionais salário anual seja superior a 55 mil euros ou 43 mil no caso de profissionais de áreas em alta demanda. Não há como recrutar essa mão-de-obra sem que a família desses profissionais também possa ser relocada. Então esses profissionais e seus familiares são relocados.Além de se qualificar para essas vagas em demanda, ou ser parte direta da família qualificada, outra via possível para a imigração para o território alemão é através do matrimônio. Como vivemos num mundo d…

O argumento anti-álcool

A lógica contra a produção do álcool é mais ou menos a seguinte:

Os produtores capitalistas, produtores do combustível de humanos e máquinas irão preferir vender combustível mais caro para os mais ricos do que comida barata para os mais pobres. Máquinas e homens irão competir por combustível... Mas enquanto os ricos terão dinheiro para comprar comida e combustível o que sobrará aos pobres!? Vale lembrar que não importa se a produção é de cana ou de milho, a competição é pela terra e não pelo grão. Ainda, mesmo que o país agrícola taxe o produtor de combustível de maneira diferenciada ao produtor de comida, o governo teria maiores dificuldades em repartir o "bolo", haja vista que os governos que temos não são as instituições mais eficientes e, além do que, a comida estará mais cara.

Ora, esquecem os "amigos" comunistas que a venda de biocombustível dará aos países agrícolas uma oportunidade ímpar de participar da economia mundial como protagonistas, e não meros figura…