Pular para o conteúdo principal

A Mino Carta: "Narciso acha feio o que não é espelho"

Em sua postagem em 01 de agosto de 2007, intitulado "Caixa Preta" o senhor Mino Carta coloca a questão do aeroporto de Congonhas como um problema inventado pela oposição para arranhar a imagem do governo:

Ocorre que nos empenhamos em praticar o verdadeiro jornalismo, baseado, em primeiro lugar, na verdade factual. Que eu saiba, ninguém se queixava, até três semanas atrás, nem graúdo, nem miúdo, quanto à localização do aeroporto, embora protestasse, com razão, contra o apagão, contra os atrasos constantes e insuportáveis. Os defeitos de Congonhas só passaram a ser apontados depois do acidente, o qual, nas circunstâncias, ocorreria de qualquer maneira. Tal é a verdade factual, assim como o são as chuvas torrenciais que desabaram sobre São Paulo.


Indignado, (será que as convicções políticas do Mino Carta interferiram em sua memória!? Custava fazer uma pesquisa e verificar a verdade de suas afirmações!?) postei em seu blog:



Mino,

O senhor está de brincadeira! Quantos paulistanos já não reclamaram do Aeroporto !? Na televisão, um sem número de vezes. Até no Faustão já apareceu uma cidadã se queixando e o apresentador ironizou ao dizer que daqui a pouco um avião deveria pousar em cima do outro no aeroporto. Francamente, estamos cansados de Congonhas e já faz muito tempo.


Logo, uma legião de fãs começou a defender o jornalista (divirtam-se). Chamo a atenção para o comentário de um de seus defensores, o Francenildo:

Ao sabidão logo abaixo: traga uma só, uminha, qualquer que seja, matéria que prove o que dizes sobre as tais frequentes reclamações da mídia e dos paulistas cansados, relacionadas à Congonhas. Está óbvio que os paulistas se indignaram tanto que ficaram cansados, ou melhor, fartos e exaustos com o monstruoso problema de ter que descer, contrariados, num aeroporto tão mal localizado. Lembro o rapaz que a autorização para operar Airbus foi dada pelo privata-mor fhc, pai do filho que a tua mídia nunca soube...mas traga notícias anteriores ao começo do golpe, ok?. Vamos lá, pela certeza com que repreendestes o Mino deves ter muitas delas à nos mostrar, não é mesmo?


O que coloco a seguir é o que não foi publicado pela censura do senhor Mino Carta:
Primeiro que fiz a seguinte busca no google: aeroporto congonhas, para verificar quantos links eu precisaria percorrer para encontrar uma, "uminha só", notícia que falasse mal de Congonhas antes da data fatídica: 17 de julho. Quarto Resultado... Globo Online... Avião derrapa no Aeroporto de Congonhas, postado no dia 16 de julho.

Postei a respota mais ou menos assim:
Respondendo ao senhor Reginaldo, segue o link tal publicado que o quarto resultado da busca no google por Aeroporto de Congonhas.

Claro que eu fui um tosco com esta respostinha medíocre. Minha esposa tratou de fazer uma intervenção bem mais didática:

Dê uma olhada nessas notícias referentes ao aeroporto de congonhas:

http://g1.globo.com/Noticias/SaoPaulo/0,,AA1335284-5605,00.html

http://www.tvcultura.com.br/reportereco/materia.asp?materiaid=440

Foram anteriores ao acidente, para citar alguns exemplos. Aliás, Lygia Horta, citada nas reportagens, ajudou a fundar a Associação dos Moradores de Moema em 1986 para, entre outras coisas, reclamar do aeroporto.

Mas, para falar em reclamações graúdas, que tal uma ação civil pública contra a Anac e a Infraero, onde vc poderá ler frases do tipo: “Quantas vidas mais serão colocadas em risco para que medidas efetivas e satisfatórias sejam tomadas? Quantos incidentes ainda terão que ocorrer para que as autoridades se conscientizem dos valores constitucionais máximos, dentre eles o direito à vida e à integridade física?” (p. 24)
Vale lembrar q a ação foi movida em 24 de janeiro deste ano, ou seja, mais de 6 meses antes da tragédia.
Veja o texto na íntegra aqui (aliás, vc pode ver no corpo do texto da ação, diversas notícias de jornais apontando problemas no aeroporto desde bem antes da tragédia):

http://producao.prsp.mpf.gov.br/news/internews/intcong.pdf

Resumo da ópera, de vez em quando falamos sem saber dos fatos. Isso pode acontecer com qualquer um, inclusive com o nosso querido Mino Carta. ;)


Conclusão... depois de postado isto, o blog não aceitou mais nenhum comentário exceto este:

enviado por: Maurício Gil
Conciso e preciso.
Parabéns, mais uma vez.
Em: 13/08/2007 11:43:53


Mino/Narciso, cuidado para não se afogar nesse rio virtual chamado internet, onde há pouco ou nenhum lugar para aqueles que não aceitam críticas e sim apenas elogios...idéias refletidas no espelho de seu ego.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Um texto pós-moderno - better man

Espere olhando para as horas... são 4 horas. Tem que parar. Nesse tom melancólico, começa a modesta música "better man", uma balada pop composta por Eddie Vedder ainda na adolescência. A música é a ilustração perfeita da ironia. O próprio título é irônico, uma vez que em momento algum na música aparece um better man. She lies and says she's in love with him, can't find a better man... Irônico, não!? Para começar, com a personagem central da história, a mulher que aguarda tarde da noite seu esposo... Ela chega a treinar com o espelho o fim do relacionamento. E o que faz? Diz a negação do que queria dizer. Vedder escreve músicas sobre sentimentos fortes. Sua relação com a mãe foi bastante complicada pelo o que descreve em suas canções. Na trilogia Mommy, Vedder descreve um homem perturbado com o relacionamento materno; a mãe mente para o filho sobre a identidade do pai, revela a verdade para o garoto na puberdade dizendo a ele como se parece com o verdadeiro pai e o

Pequeno manual do ócio em terras alemãs

  Pequeno manual do ócio em terras alemãs Como Lei alemã favorece aproveitadoras (e alguns aproveitadores que nunca tive o desprazer de conhecer)   Há algumas vias pelas quais pessoas de países em desenvolvimento migram para países como a Alemanha.   Por exemplo, é sabido que países desenvolvidos sofrem de escassez de mão-de-obra qualificada. Por esse motivo, países como a Alemanha dispõe vistos "especiais" para profissionais em demanda. Esse é o conceito do Blaukart (Blue Card) que na Alemanha se destina a profissionais salário anual seja superior a 55 mil euros ou 43 mil no caso de profissionais de áreas em alta demanda. Não há como recrutar essa mão-de-obra sem que a família desses profissionais também possa ser relocada. Então esses profissionais e seus familiares são relocados.   Além de se qualificar para essas vagas em demanda, ou ser parte direta da família qualificada, outra via possível para a imigração para o território alemão é através do matrimôni

O argumento anti-álcool

A lógica contra a produção do álcool é mais ou menos a seguinte: Os produtores capitalistas, produtores do combustível de humanos e máquinas irão preferir vender combustível mais caro para os mais ricos do que comida barata para os mais pobres. Máquinas e homens irão competir por combustível... Mas enquanto os ricos terão dinheiro para comprar comida e combustível o que sobrará aos pobres!? Vale lembrar que não importa se a produção é de cana ou de milho, a competição é pela terra e não pelo grão. Ainda, mesmo que o país agrícola taxe o produtor de combustível de maneira diferenciada ao produtor de comida, o governo teria maiores dificuldades em repartir o "bolo", haja vista que os governos que temos não são as instituições mais eficientes e, além do que, a comida estará mais cara. Ora, esquecem os "amigos" comunistas que a venda de biocombustível dará aos países agrícolas uma oportunidade ímpar de participar da economia mundial como protagonistas, e não meros fi