Pular para o conteúdo principal

Bolsa Família - Além de Bom é Mágico ??? (2)

Uma longa discussão foi travada por conta de um artigo "científico" sobre se o bolsa família gera renda (veja post anterior). Para quem quiser conferir, o artigo está no link:

http://www.ipc-undp.org/publications/mds/33P.pdf

(Agradeço aqui Warrior e Delmar pelos esclarecimentos).

O objetivo do presente post e fazer uma análise desse artigo do senhor Paulo Henrique Landim Junior e seu prof. Dr. Naercio Aquino Menezes Filho:

A idéia do trabalho desses autores é confrontar dois grupos: aqueles que mais se beneficiaram com o bolsa família, e o os demais que servirão como grupo de controle aos dados observados.

“Para aprofundar esta análise, destacamos os municípios onde mais de 50% da população é beneficiada pelo Programa Bolsa Família. Esses municípios foram comparados com outros, onde uma parcela menor da população é beneficiada. Para isso foram criados e analisados os dois grupos de municípios: aqueles em que mais de 50% da população é beneficiada pelo PBF (grupo 1) e aqueles em que menos de 50% da população é beneficiada pelo PBF (grupo 2).” (página 10)

Feito essa divisão, é analisado, para cada grupo, o aumento do PIB e o aumento do bolsa família e constatado que com uma margem de confiança de 62,38% (ver regressão econométrica nas páginas 16 e 17) que o aumento do PIB e o aumento do repasse per capita nos municípios mais beneficiados são correlacionados.

Agora vamos refletir nesses números: por que eles são óbvios? A resposta é porque quase 62% da população ativa desses municípios recebeu o bolsa-família (página 11).

Sejamos mais radiciais para entender a questão. Vamos imaginar um outro cenário…Antes do bolsa-família, esses 62% da população não recebiam nada. Então, a partir de um certo ano, o governo passou a repassar o BF a essa população. Será que haverá alguma corelação do repasse com o PIB desses municípois? É evidente que sim, a população que contriui com o PIB do município quase triplicou.

O BF destinado a esses 712 municípios mais beneficiados não vieram deles (apenas uma fração ínfima – o PIB total desses municípios é de R$33.350.080.000,00 (página 11)), mas dos outros 4789 municípios da união. Isso chama-se repasse, e é o propósito do programa (transferir renda dos mais pobres para os mais ricos). O PIB influenciado pelo BF cresceu nessa região porque diminuiu (o PIB influenciado pelo BF) em outro lugar. É como tirar a água de um balde e jogar em outro, sugerir que como o primeiro balde está ficando seco, os baldes ficarão sem água.

Ainda, analisando o trabalho:
“Estimou-se um aumento de 0,06% no PIB per capita para cada aumento de 1% no valor de repasse per capita.”

Vamos aceitar a margem de confiança de 62% e concordar que para os 472 municípios mais beneficiados com o BF, ocorreu um aumento de 0,06% no PIB per capita para cada aumento de 1% no valor de repasse per capita, e, o que o estudo não fala, que nos demais municípios, de onde saiu esse dinheiro, o BF impactou negativamente no PIB. Daí, temos que é inaceitável concluir o seguinte:

“(..). Com base nessas informações é possível obter o benefício estimado da expansão do Programa Bolsa Família no ano de 2006. Para isso basta multiplicar 0,06 por 30,34. O valor obtido, 1,82%, é o impacto estimado do aumento de 30,34% no repasse per capita sobre o PIB dos municípios [TODOS]. Em 2006 o PIB brasileiro foi R$ 2.369.797.000.000 e, portanto um aumento de 1,82% neste significa um acréscimo de R$ 43.139.784.588,00.”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Um texto pós-moderno - better man

Espere olhando para as horas... são 4 horas. Tem que parar. Nesse tom melancólico, começa a modesta música "better man", uma balada pop composta por Eddie Vedder ainda na adolescência. A música é a ilustração perfeita da ironia. O próprio título é irônico, uma vez que em momento algum na música aparece um better man. She lies and says she's in love with him, can't find a better man... Irônico, não!? Para começar, com a personagem central da história, a mulher que aguarda tarde da noite seu esposo... Ela chega a treinar com o espelho o fim do relacionamento. E o que faz? Diz a negação do que queria dizer. Vedder escreve músicas sobre sentimentos fortes. Sua relação com a mãe foi bastante complicada pelo o que descreve em suas canções. Na trilogia Mommy, Vedder descreve um homem perturbado com o relacionamento materno; a mãe mente para o filho sobre a identidade do pai, revela a verdade para o garoto na puberdade dizendo a ele como se parece com o verdadeiro pai e o

Pequeno manual do ócio em terras alemãs

  Pequeno manual do ócio em terras alemãs Como Lei alemã favorece aproveitadoras (e alguns aproveitadores que nunca tive o desprazer de conhecer)   Há algumas vias pelas quais pessoas de países em desenvolvimento migram para países como a Alemanha.   Por exemplo, é sabido que países desenvolvidos sofrem de escassez de mão-de-obra qualificada. Por esse motivo, países como a Alemanha dispõe vistos "especiais" para profissionais em demanda. Esse é o conceito do Blaukart (Blue Card) que na Alemanha se destina a profissionais salário anual seja superior a 55 mil euros ou 43 mil no caso de profissionais de áreas em alta demanda. Não há como recrutar essa mão-de-obra sem que a família desses profissionais também possa ser relocada. Então esses profissionais e seus familiares são relocados.   Além de se qualificar para essas vagas em demanda, ou ser parte direta da família qualificada, outra via possível para a imigração para o território alemão é através do matrimôni

O argumento anti-álcool

A lógica contra a produção do álcool é mais ou menos a seguinte: Os produtores capitalistas, produtores do combustível de humanos e máquinas irão preferir vender combustível mais caro para os mais ricos do que comida barata para os mais pobres. Máquinas e homens irão competir por combustível... Mas enquanto os ricos terão dinheiro para comprar comida e combustível o que sobrará aos pobres!? Vale lembrar que não importa se a produção é de cana ou de milho, a competição é pela terra e não pelo grão. Ainda, mesmo que o país agrícola taxe o produtor de combustível de maneira diferenciada ao produtor de comida, o governo teria maiores dificuldades em repartir o "bolo", haja vista que os governos que temos não são as instituições mais eficientes e, além do que, a comida estará mais cara. Ora, esquecem os "amigos" comunistas que a venda de biocombustível dará aos países agrícolas uma oportunidade ímpar de participar da economia mundial como protagonistas, e não meros fi