Pular para o conteúdo principal

Minisaia na Uniban

http://www.youtube.com/watch?v=gWUyKgs0u-4

http://virgula.uol.com.br/ver/noticia/news/2009/10/28/226552-aluna-da-uniban-ameacada-de-estupro-no-campus-por-usar-minissaia

Para mim, a menina da minissaia é uma heroína, ao exercer a liberdade de escolher suas vestes, e destoar de uma regra implícita, velada por sociedade cínica e
hipócrita em que “estava” inserida.

As razões que explicam a reação dos estudantes vão muito além das simplificações sobre a qualidade da escola. A natureza humana é perversa, e mesmo submersos a um mundo de controle e disciplinas, carregamentos essa perversidade intrínseca em alguma parte de nossa mente.

Abaixo, trecho extraído da natureza do terrorismo:

“O terrorismo é uma manifestação da psique. A raiz psicológica do terrorismo é um ódio quase-psicótico do ressentimento fanático que origina nas profundidades da psique arquétipa.

Um exemplo literário clássico é de Melville, Moby Dick. O Capitão Ahab, com seu ódio fanático da baleia branca, é um paradigma do terrorista moderno. Os terroristas articulados expressam-se geralmente na terminologia (arquétipa) religiosa. O inimigo é considerado como o princípio de mal objetivo [“puta” em nossa versão da Uniban] e o terrorista percebe-se como herói, agente de justiça divina ou objetiva.

Para tratar o terrorismo eficazmente nós devemos compreendê-lo. Estes indivíduos não são criminosos e não são loucos embora tenham algumas qualidades de ambos. Vamos chamá-los de fanáticos. Os fanáticos são possuídos pelo arquétipos dinâmicos transpessoais que derivam-se da coletividade inconsciente.“

Para aqueles interessados em entender mais o assunto eu recomendo um estudo sério da psicologia de C.G. Jung.

Comentários

Unknown disse…
Aquilo é uma universidade ou prézinho?
só vi um bando de retardados gritando com uma doida e não percebi saia curtinha!
Pena que na minha as gatas não andem assim de minisaia!
Eu aplaudiria com certeza e la o povo não deve gostar de mulher!
manda pra k que agente gosta!

Postagens mais visitadas deste blog

Um texto pós-moderno - better man

Espere olhando para as horas... são 4 horas. Tem que parar. Nesse tom melancólico, começa a modesta música "better man", uma balada pop composta por Eddie Vedder ainda na adolescência. A música é a ilustração perfeita da ironia. O próprio título é irônico, uma vez que em momento algum na música aparece um better man. She lies and says she's in love with him, can't find a better man... Irônico, não!? Para começar, com a personagem central da história, a mulher que aguarda tarde da noite seu esposo... Ela chega a treinar com o espelho o fim do relacionamento. E o que faz? Diz a negação do que queria dizer. Vedder escreve músicas sobre sentimentos fortes. Sua relação com a mãe foi bastante complicada pelo o que descreve em suas canções. Na trilogia Mommy, Vedder descreve um homem perturbado com o relacionamento materno; a mãe mente para o filho sobre a identidade do pai, revela a verdade para o garoto na puberdade dizendo a ele como se parece com o verdadeiro pai e o

Pequeno manual do ócio em terras alemãs

  Pequeno manual do ócio em terras alemãs Como Lei alemã favorece aproveitadoras (e alguns aproveitadores que nunca tive o desprazer de conhecer)   Há algumas vias pelas quais pessoas de países em desenvolvimento migram para países como a Alemanha.   Por exemplo, é sabido que países desenvolvidos sofrem de escassez de mão-de-obra qualificada. Por esse motivo, países como a Alemanha dispõe vistos "especiais" para profissionais em demanda. Esse é o conceito do Blaukart (Blue Card) que na Alemanha se destina a profissionais salário anual seja superior a 55 mil euros ou 43 mil no caso de profissionais de áreas em alta demanda. Não há como recrutar essa mão-de-obra sem que a família desses profissionais também possa ser relocada. Então esses profissionais e seus familiares são relocados.   Além de se qualificar para essas vagas em demanda, ou ser parte direta da família qualificada, outra via possível para a imigração para o território alemão é através do matrimôni

O argumento anti-álcool

A lógica contra a produção do álcool é mais ou menos a seguinte: Os produtores capitalistas, produtores do combustível de humanos e máquinas irão preferir vender combustível mais caro para os mais ricos do que comida barata para os mais pobres. Máquinas e homens irão competir por combustível... Mas enquanto os ricos terão dinheiro para comprar comida e combustível o que sobrará aos pobres!? Vale lembrar que não importa se a produção é de cana ou de milho, a competição é pela terra e não pelo grão. Ainda, mesmo que o país agrícola taxe o produtor de combustível de maneira diferenciada ao produtor de comida, o governo teria maiores dificuldades em repartir o "bolo", haja vista que os governos que temos não são as instituições mais eficientes e, além do que, a comida estará mais cara. Ora, esquecem os "amigos" comunistas que a venda de biocombustível dará aos países agrícolas uma oportunidade ímpar de participar da economia mundial como protagonistas, e não meros fi