Pular para o conteúdo principal

Minisaia na Uniban

http://www.youtube.com/watch?v=gWUyKgs0u-4

http://virgula.uol.com.br/ver/noticia/news/2009/10/28/226552-aluna-da-uniban-ameacada-de-estupro-no-campus-por-usar-minissaia

Para mim, a menina da minissaia é uma heroína, ao exercer a liberdade de escolher suas vestes, e destoar de uma regra implícita, velada por sociedade cínica e
hipócrita em que “estava” inserida.

As razões que explicam a reação dos estudantes vão muito além das simplificações sobre a qualidade da escola. A natureza humana é perversa, e mesmo submersos a um mundo de controle e disciplinas, carregamentos essa perversidade intrínseca em alguma parte de nossa mente.

Abaixo, trecho extraído da natureza do terrorismo:

“O terrorismo é uma manifestação da psique. A raiz psicológica do terrorismo é um ódio quase-psicótico do ressentimento fanático que origina nas profundidades da psique arquétipa.

Um exemplo literário clássico é de Melville, Moby Dick. O Capitão Ahab, com seu ódio fanático da baleia branca, é um paradigma do terrorista moderno. Os terroristas articulados expressam-se geralmente na terminologia (arquétipa) religiosa. O inimigo é considerado como o princípio de mal objetivo [“puta” em nossa versão da Uniban] e o terrorista percebe-se como herói, agente de justiça divina ou objetiva.

Para tratar o terrorismo eficazmente nós devemos compreendê-lo. Estes indivíduos não são criminosos e não são loucos embora tenham algumas qualidades de ambos. Vamos chamá-los de fanáticos. Os fanáticos são possuídos pelo arquétipos dinâmicos transpessoais que derivam-se da coletividade inconsciente.“

Para aqueles interessados em entender mais o assunto eu recomendo um estudo sério da psicologia de C.G. Jung.

Comentários

Fábio disse…
Aquilo é uma universidade ou prézinho?
só vi um bando de retardados gritando com uma doida e não percebi saia curtinha!
Pena que na minha as gatas não andem assim de minisaia!
Eu aplaudiria com certeza e la o povo não deve gostar de mulher!
manda pra k que agente gosta!

Postagens mais visitadas deste blog

Expressões, preconceito e racismo

Expressões preconceituosas e racistas Antes de alguma outra frase, primeiro peço licença para falar de mais um assunto do qual não domino. Falo por acreditar que um leigo presta serviço maior ao debater assunto com base em fontes (ainda que seja uma Wikipedia) e no pensamento lógico do que simplesmente se manter mudo a questões do cotidiano. Em voga agora está em falar quais são ou eram as expressões preconceituosas e racistas que até a pouco eram toleradas em muitos meios.
Como é covarde dizer que em boca fechada não entra racismo. O racismo não é perpetrado apenas por quem profere mas por quem se cala à agressão perpetrada a outrem. Mas veremos que a questão é muito mais complexa que os cães raivosos do politicamente correto querem dizer.
Tomo aqui a palavra racista, como sendo algo usado para impor a dominação de uma “raça” sobre outra. Portanto, a acusação de racismo vai muito além da mera acusação de preconceito. Não tenho o menor apreso por vitimismo barato, onde expressões que…

Um texto pós-moderno - better man

Espere olhando para as horas... são 4 horas. Tem que parar. Nesse tom melancólico, começa a modesta música "better man", uma balada pop composta por Eddie Vedder ainda na adolescência. A música é a ilustração perfeita da ironia. O próprio título é irônico, uma vez que em momento algum na música aparece um better man.

She lies and says she's in love with him, can't find a better man...

Irônico, não!? Para começar, com a personagem central da história, a mulher que aguarda tarde da noite seu esposo... Ela chega a treinar com o espelho o fim do relacionamento. E o que faz? Diz a negação do que queria dizer.

Vedder escreve músicas sobre sentimentos fortes. Sua relação com a mãe foi bastante complicada pelo o que descreve em suas canções. Na trilogia Mommy, Vedder descreve um homem perturbado com o relacionamento materno; a mãe mente para o filho sobre a identidade do pai, revela a verdade para o garoto na puberdade dizendo a ele como se parece com o verdadeiro pai e o leva …

Curry with JS

Partial application and currying with Javascript In the strict way, currying is the technique of transforming a function that takes multiple arguments (a tuple of arguments) to one function that receive only one. In such way, currying techniques allow transform one multi-parameter function in a chain of functions, each one with a single argument. Looks complicated? Blah.. it is not true.
In this little article, we are actually more interesting in partial applications. Let’s take the Mozilla Example for replace function in String. As we know, we can use a “replacer” function as paramenter for replace method in String object.
Let’s say that we want to split a String defined by a non-numerical part, a numerical part and finally a non-alphanumeric part. Here is how:
function replacer(match, p1, p2, p3, offset, string){ // p1 is nondigits, p2 digits, and p3 non-alphanumerics return [p1, p2, p3].join(' - '); }; We can try it as usual…
var newString = "abc12345#$*%".r…