Pular para o conteúdo principal

Bolsa Família - Além de Bom é Mágico ???

Saiu no Estado de São Paulo os resultados de um estudo sobre o impacto da ampliação do Bolsa Esmola na Economia. Basicamente é o seguinte: com os 1,6 bilhão de Reais adicionais investidos no programa (de 2005 a 2006.), o governo impulsionou o PIB em 0,6% (43,1 bilhões de reais).


O significado disso é muito óbvio: de acordo com o estudo o estado não deveria perder seu tempo a não ser fazer algo que multiplica por 25 o dinheiro investido! O que não fica claro é como isso é possível. A explicação apresentada no jornal é o chamado multiplicador keneysiano. As pessoas inclusas no projeto fazem girar as engrenagens econômicas.

Bom, é díficil acreditar que demanda simplesmente gere renda... Existe um interessante post do Guilherme Stein "A Miséria do Multiplicador Keynesiano: A Lei de Say corretamente entendida", sobre esse problema. Talvez o programa tenha afetado a economia local (regiões com mais bolsas famílias distribuídas), e o jornal "estrategicamente" omitiu esse fato.

(Será? Bom houve uma longa discussão sobre o assunto no blog do JPK).

É até vazio dizer mais alguma coisa sem ter acesso ao trabalho (tive acesso e publicarei os resultado). Por outro lado, as pessoas que criticam o projeto (sem pesar seus benefícios) parecem que estão anos luz de conhecer os fatos; Simplesmente não dá para discutir se o projeto é ou não bom. Isso é ponto pacífico. Algumas discussões cabíveis: por que publicar que o bolsa família aumenta o PIB? Como melhorar o projeto?



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Expressões, preconceito e racismo

Expressões preconceituosas e racistas Antes de alguma outra frase, primeiro peço licença para falar de mais um assunto do qual não domino. Falo por acreditar que um leigo presta serviço maior ao debater assunto com base em fontes (ainda que seja uma Wikipedia) e no pensamento lógico do que simplesmente se manter mudo a questões do cotidiano. Em voga agora está em falar quais são ou eram as expressões preconceituosas e racistas que até a pouco eram toleradas em muitos meios.
Como é covarde dizer que em boca fechada não entra racismo. O racismo não é perpetrado apenas por quem profere mas por quem se cala à agressão perpetrada a outrem. Mas veremos que a questão é muito mais complexa que os cães raivosos do politicamente correto querem dizer.
Tomo aqui a palavra racista, como sendo algo usado para impor a dominação de uma “raça” sobre outra. Portanto, a acusação de racismo vai muito além da mera acusação de preconceito. Não tenho o menor apreso por vitimismo barato, onde expressões que…

Um texto pós-moderno - better man

Espere olhando para as horas... são 4 horas. Tem que parar. Nesse tom melancólico, começa a modesta música "better man", uma balada pop composta por Eddie Vedder ainda na adolescência. A música é a ilustração perfeita da ironia. O próprio título é irônico, uma vez que em momento algum na música aparece um better man.

She lies and says she's in love with him, can't find a better man...

Irônico, não!? Para começar, com a personagem central da história, a mulher que aguarda tarde da noite seu esposo... Ela chega a treinar com o espelho o fim do relacionamento. E o que faz? Diz a negação do que queria dizer.

Vedder escreve músicas sobre sentimentos fortes. Sua relação com a mãe foi bastante complicada pelo o que descreve em suas canções. Na trilogia Mommy, Vedder descreve um homem perturbado com o relacionamento materno; a mãe mente para o filho sobre a identidade do pai, revela a verdade para o garoto na puberdade dizendo a ele como se parece com o verdadeiro pai e o leva …

Filme: Obrigado Por Fumar

Obrigado Por Fumar (Thank you for Smoking) - 2006Filme escrito e dirigido por Jason Reitman, produzido por David Sacks e baseado na novela de Christopher Buckley. Duração de 92 minutos.
"Obrigado Por Fumar" é um aclamado filme, vencedor do globo de ouro 2006 e sucesso em bilheterias (com faturamento superior a 39 milhões de dólares). O filme conta a história de Nick Naylor (Aaron Eckhart), vice-presidente da empresa Academia do Estudo do Tabaco, um lobby da indústria tabagista, e como ele usa suas habilidades de persuação para defender os interesses de seus superiores.
Direção muito interessante: ao contrário do que se pode esperar, o filme não mostra um quadro contaminado por fumaça em que o próprio telespectador tenha dificuldades em respirar. Aliás, o filme não mostra nehuma pessoa fumando. Também não faz uma crítica raivosa à indústria do cigarro. Seus argumentos são sutis, inteligentes e bem-humorados. Mas, a mensagem não passa despercebida pelo público, apenas não o agri…