Pular para o conteúdo principal

Palavras de Verdade

A primeira palavra que minha filha aprendeu a falar foi "pai". O que pode parecer estranho porque ele morava com a mãe e eu não tinha tanto contato assim com ela. Talvez tenha sido coincidência que o som que ela emitia ao me ver fosse parecido com pai. Fato é que ela aprendeu rápido a chamar o pai, a mãe e depois vários objetos. Mas nenhuma dessas palavras foi tão palavra quanto aquela que ela aprendeu a falar pouco tempo depois: "não".

O que acontece com o "não" é que esse advérbio tem um valor semântico variável. Ao contrário de mãe, pai, bola, água cujo valor semântico é constante para a criança (pai é sempre o mesmo pai, assim como bola sempre significa uma bola, oras), o não é usado para expressar a negação de qualquer coisa. Portanto, "não" pode ser qualquer coisa.

A aquisição de tal vocábulo é o início de uma nova relação com o mundo. O mundo deixa de ter apenas objetos e passa a ter história, inter relações que começam a ser compreendidas. A mudança é tão fantástica que nossas lembranças mais remotas remetem a um certo momento em que conseguimos expressar o mundo por tais vocábulos.

Hoje minha afilhada chamou a mãe várias vezes por mamãezinha. A mudança sutil entre chamar a mãe por mãe e por mamãezinha é outra enorme mudança. Quando a criança chama a mãe por mamãezinha ela já está "mal" intencionada. Ela não quer simplesmente invocar a mãe, mas chamá-la de forma que ela se sinta prestigiada, agradada por ela. E isso aconteceu porque essa criança notou que as palavras estão dentro de um jogo de comunicação onde o mais importante não é expressar o que queremos, o que já é tarefa bastante complicada, mas convencer as pessoas a nos ajudar a conseguir tal coisa.

Cá estou com meus botões a pensar que com um pouco de sensibilidade encontramos nos pequeninos gestos das crianças as sutilezas que nos tornam tão complexos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Um texto pós-moderno - better man

Espere olhando para as horas... são 4 horas. Tem que parar. Nesse tom melancólico, começa a modesta música "better man", uma balada pop composta por Eddie Vedder ainda na adolescência. A música é a ilustração perfeita da ironia. O próprio título é irônico, uma vez que em momento algum na música aparece um better man. She lies and says she's in love with him, can't find a better man... Irônico, não!? Para começar, com a personagem central da história, a mulher que aguarda tarde da noite seu esposo... Ela chega a treinar com o espelho o fim do relacionamento. E o que faz? Diz a negação do que queria dizer. Vedder escreve músicas sobre sentimentos fortes. Sua relação com a mãe foi bastante complicada pelo o que descreve em suas canções. Na trilogia Mommy, Vedder descreve um homem perturbado com o relacionamento materno; a mãe mente para o filho sobre a identidade do pai, revela a verdade para o garoto na puberdade dizendo a ele como se parece com o verdadeiro pai e o

Pequeno manual do ócio em terras alemãs

  Pequeno manual do ócio em terras alemãs Como Lei alemã favorece aproveitadoras (e alguns aproveitadores que nunca tive o desprazer de conhecer)   Há algumas vias pelas quais pessoas de países em desenvolvimento migram para países como a Alemanha.   Por exemplo, é sabido que países desenvolvidos sofrem de escassez de mão-de-obra qualificada. Por esse motivo, países como a Alemanha dispõe vistos "especiais" para profissionais em demanda. Esse é o conceito do Blaukart (Blue Card) que na Alemanha se destina a profissionais salário anual seja superior a 55 mil euros ou 43 mil no caso de profissionais de áreas em alta demanda. Não há como recrutar essa mão-de-obra sem que a família desses profissionais também possa ser relocada. Então esses profissionais e seus familiares são relocados.   Além de se qualificar para essas vagas em demanda, ou ser parte direta da família qualificada, outra via possível para a imigração para o território alemão é através do matrimôni

O argumento anti-álcool

A lógica contra a produção do álcool é mais ou menos a seguinte: Os produtores capitalistas, produtores do combustível de humanos e máquinas irão preferir vender combustível mais caro para os mais ricos do que comida barata para os mais pobres. Máquinas e homens irão competir por combustível... Mas enquanto os ricos terão dinheiro para comprar comida e combustível o que sobrará aos pobres!? Vale lembrar que não importa se a produção é de cana ou de milho, a competição é pela terra e não pelo grão. Ainda, mesmo que o país agrícola taxe o produtor de combustível de maneira diferenciada ao produtor de comida, o governo teria maiores dificuldades em repartir o "bolo", haja vista que os governos que temos não são as instituições mais eficientes e, além do que, a comida estará mais cara. Ora, esquecem os "amigos" comunistas que a venda de biocombustível dará aos países agrícolas uma oportunidade ímpar de participar da economia mundial como protagonistas, e não meros fi