Pular para o conteúdo principal

Um texto pós-moderno - better man

Espere olhando para as horas... são 4 horas. Tem que parar. Nesse tom melancólico, começa a modesta música "better man", uma balada pop composta por Eddie Vedder ainda na adolescência. A música é a ilustração perfeita da ironia. O próprio título é irônico, uma vez que em momento algum na música aparece um better man.

She lies and says she's in love with him, can't find a better man...

Irônico, não!? Para começar, com a personagem central da história, a mulher que aguarda tarde da noite seu esposo... Ela chega a treinar com o espelho o fim do relacionamento. E o que faz? Diz a negação do que queria dizer.

Vedder escreve músicas sobre sentimentos fortes. Sua relação com a mãe foi bastante complicada pelo o que descreve em suas canções. Na trilogia Mommy, Vedder descreve um homem perturbado com o relacionamento materno; a mãe mente para o filho sobre a identidade do pai, revela a verdade para o garoto na puberdade dizendo a ele como se parece com o verdadeiro pai e o leva a uma relação incestuosa. Sua reflexão: "Ainda estou vivo...". No final da trilogia, a mãe morre e o personagem central é condenado à pena capital.

Em better man, Vedder ataca a posição passiva e conformada da mãe, mas de uma forma mais singela. Basta ouvir a música uma única vez para perceber que o tom melancólico do refrão é (outra) ironia. Can't find a better man? A música cresce, continuamente, torna-se viva e cheia de esperança. É claro que ela pode. Desde o princípio sempre pode. E carregado de certeza do contrário, o refrão canta: can't find a better man x2. Can't find a better maaaaaaaaaaan... Ao final da música, o ouvinte se sente energizado e esperançoso, o que é irônico a essas palavras.

Assim, dentro da simplicidade do gênero grunge, o vocalista consegue pintar com a antítese: verdadeiro com falso, esperança com melancolia de forma clara como cristal. O recurso consagrado por imortais da literatura como Oscar Wilde e Machado de Assis fica estampado nos acordes metálicos dessa simples mas vibrante música. Da abertura sombria para o esperançoso final, os vários tons de uma figura de linguagem.

Comentários

Ale Mitiko disse…

Adorei, há tempos procurava por algum pensamento sobre esse som que eu tanto amo, estou tbm aprendendo melhor o inglês, para conseguir colher melhor essas irônias e tal. Obrigada.
Jácia disse…
Amei suas considerações, a música é bem assim, aliás a vida

Postagens mais visitadas deste blog

Pequeno manual do ócio em terras alemãs

  Pequeno manual do ócio em terras alemãs Como Lei alemã favorece aproveitadoras (e alguns aproveitadores que nunca tive o desprazer de conhecer)   Há algumas vias pelas quais pessoas de países em desenvolvimento migram para países como a Alemanha.   Por exemplo, é sabido que países desenvolvidos sofrem de escassez de mão-de-obra qualificada. Por esse motivo, países como a Alemanha dispõe vistos "especiais" para profissionais em demanda. Esse é o conceito do Blaukart (Blue Card) que na Alemanha se destina a profissionais salário anual seja superior a 55 mil euros ou 43 mil no caso de profissionais de áreas em alta demanda. Não há como recrutar essa mão-de-obra sem que a família desses profissionais também possa ser relocada. Então esses profissionais e seus familiares são relocados.   Além de se qualificar para essas vagas em demanda, ou ser parte direta da família qualificada, outra via possível para a imigração para o território alemão é através do matrimôni

Answering: top reasons I hate living in Brazil

Yes, some guys shared a teasing topic about “Top reasons why I hate living in Brazil”: http://www.gringoes.com/forum/forum_posts.asp?TID=17615&PN=1&title=top-reasons-i-hate-living-in-brazil What is the point here? The whole text is loaded of cliclés, people that you will hardly find, etc most of time just pissing people off.   I don’t think Brazil is the best country in the world. Also, I don’t think Brazilians don’t make mistakes. Actually we do all the time but most of us really care about our mistakes specially those were pointed out. Some feel like an expatriate, alien in own country. Others reflect about how we could improve. Others  simply don’t accept teases from John Does. So, I’m actually truly bothered with people believing in a bunch of false statements (specially Brazilians) or supporting some cynical arguments disguised “sincere” criticisms . Yes, I make mistakes all the time, and as most of Brazilians, I don’t speak English. However, I will