Pular para o conteúdo principal

Decadência moral pré-STF

O julgamento do Mensalão na suprema corte desse país tem lavado a alma do brasileiro, dando um novo rumo ao escândalo que foi tido como factoide. A evolução tecnológica e todo acesso a informação não nos privou de ver a ética quase minguar no cérebro político dessa nação .

Vivemos um novo momento da história...

Podemos facilmente consultar a internet e procurar os últimos acontecimentos da política. Os blogs acompanham os passos de políticos, do senado do congresso, da presidência. Por todo lado nossos olhos se espalham e se interconectam. Nossa memória cresce a bilhões de páginas. Gozamos de uma facilidade ímpar para nos informar de acontecimentos, fatos, nomes. Os nomes dos mensaleiros, sanguessugas, e demais membros da camarilla estão listados em diversas páginas da rede. São muitos nomes... talvez nomes demais para nossa antiga memória, e breve eram os segundos em que eram anunciados no Jornal Nacional, em suas edições mais politizadas( Lembra o nome de algum dos anões do orçamento?). 

De fato. Temos tudo isso à nossa disposição e mesmo assim achava que vivíamos numa decadência política. A conseqüência mais deletéria do governo Lula foi debilitar a capacidade do povo de se indignar com a corrupção. Sobre o pretexto tosco que este é o governo que mais investiga denúncias de corrupção, o povo se apazigou e não franziu uma ruga em protesto aos escândalos. Quantas foram as manobras do governo federal para impedir CPIs, investigações, punições!? Até que ponto chega a indiferença ao crime? 

Recordemos alguns fatos. A comissão de ética julgou (com direito a todas as formalidades legais e trâmite burocrático) e condenou 18 deputados por quebra de decoro parlamentar envolvidos no escândalo do mensalão. Dos 18 deputados, apenas 4 foram cassados. O congresso teve o desplante de absolver criminosos sequencialmente, com direito a dança da pizza. Entre os deputados cassados, está o ex-ministro da casa civil, José Dirceu, companheiro de longa data do presidente Lula, ainda hoje, trabalhando nos bastidores do PT. Cara-de-pau ainda maior é o senhor ex-presidente afirmar que não existe nada de concreto contra o companheiro José Dirceu e que sua cassação foi pura "intriga da oposição", ignorando levianamente o fato de Dirceu impugnar o uso de provas (como suas movimentações bancárias) por não terem sido obtidas através de mandato judicial. 

Em que lugar do mundo isto é ético? Onde está o impeto investigativo do governo que tentou coagir o senado a não aprovar a CPI dos Correios, a ponto de levar um de seus membros (senador Eduardo Suplicy do PT-SP) aos prantos votar contra as orientações da  direção do partido? 

O governo não foi o único culpado. É evidente o amadorismo da oposição. O discurso acadêmico do PSDB não conseguiu sensibilizar o povo a tomar as ruas e protestar, como o PT fazia nos tempos de oposição. Uma oposição elitista, isolada em torres de marfim edificadas em ares de superioridade intelectual, nada vale para politizar o povo analfabeto, agora calado a ouvir a agonia da ética no cenário político.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Um texto pós-moderno - better man

Espere olhando para as horas... são 4 horas. Tem que parar. Nesse tom melancólico, começa a modesta música "better man", uma balada pop composta por Eddie Vedder ainda na adolescência. A música é a ilustração perfeita da ironia. O próprio título é irônico, uma vez que em momento algum na música aparece um better man. She lies and says she's in love with him, can't find a better man... Irônico, não!? Para começar, com a personagem central da história, a mulher que aguarda tarde da noite seu esposo... Ela chega a treinar com o espelho o fim do relacionamento. E o que faz? Diz a negação do que queria dizer. Vedder escreve músicas sobre sentimentos fortes. Sua relação com a mãe foi bastante complicada pelo o que descreve em suas canções. Na trilogia Mommy, Vedder descreve um homem perturbado com o relacionamento materno; a mãe mente para o filho sobre a identidade do pai, revela a verdade para o garoto na puberdade dizendo a ele como se parece com o verdadeiro pai e o

Pequeno manual do ócio em terras alemãs

  Pequeno manual do ócio em terras alemãs Como Lei alemã favorece aproveitadoras (e alguns aproveitadores que nunca tive o desprazer de conhecer)   Há algumas vias pelas quais pessoas de países em desenvolvimento migram para países como a Alemanha.   Por exemplo, é sabido que países desenvolvidos sofrem de escassez de mão-de-obra qualificada. Por esse motivo, países como a Alemanha dispõe vistos "especiais" para profissionais em demanda. Esse é o conceito do Blaukart (Blue Card) que na Alemanha se destina a profissionais salário anual seja superior a 55 mil euros ou 43 mil no caso de profissionais de áreas em alta demanda. Não há como recrutar essa mão-de-obra sem que a família desses profissionais também possa ser relocada. Então esses profissionais e seus familiares são relocados.   Além de se qualificar para essas vagas em demanda, ou ser parte direta da família qualificada, outra via possível para a imigração para o território alemão é através do matrimôni

Answering: top reasons I hate living in Brazil

Yes, some guys shared a teasing topic about “Top reasons why I hate living in Brazil”: http://www.gringoes.com/forum/forum_posts.asp?TID=17615&PN=1&title=top-reasons-i-hate-living-in-brazil What is the point here? The whole text is loaded of cliclés, people that you will hardly find, etc most of time just pissing people off.   I don’t think Brazil is the best country in the world. Also, I don’t think Brazilians don’t make mistakes. Actually we do all the time but most of us really care about our mistakes specially those were pointed out. Some feel like an expatriate, alien in own country. Others reflect about how we could improve. Others  simply don’t accept teases from John Does. So, I’m actually truly bothered with people believing in a bunch of false statements (specially Brazilians) or supporting some cynical arguments disguised “sincere” criticisms . Yes, I make mistakes all the time, and as most of Brazilians, I don’t speak English. However, I will