Pular para o conteúdo principal

Decadência moral pré-STF

O julgamento do Mensalão na suprema corte desse país tem lavado a alma do brasileiro, dando um novo rumo ao escândalo que foi tido como factoide. A evolução tecnológica e todo acesso a informação não nos privou de ver a ética quase minguar no cérebro político dessa nação .

Vivemos um novo momento da história...

Podemos facilmente consultar a internet e procurar os últimos acontecimentos da política. Os blogs acompanham os passos de políticos, do senado do congresso, da presidência. Por todo lado nossos olhos se espalham e se interconectam. Nossa memória cresce a bilhões de páginas. Gozamos de uma facilidade ímpar para nos informar de acontecimentos, fatos, nomes. Os nomes dos mensaleiros, sanguessugas, e demais membros da camarilla estão listados em diversas páginas da rede. São muitos nomes... talvez nomes demais para nossa antiga memória, e breve eram os segundos em que eram anunciados no Jornal Nacional, em suas edições mais politizadas( Lembra o nome de algum dos anões do orçamento?). 

De fato. Temos tudo isso à nossa disposição e mesmo assim achava que vivíamos numa decadência política. A conseqüência mais deletéria do governo Lula foi debilitar a capacidade do povo de se indignar com a corrupção. Sobre o pretexto tosco que este é o governo que mais investiga denúncias de corrupção, o povo se apazigou e não franziu uma ruga em protesto aos escândalos. Quantas foram as manobras do governo federal para impedir CPIs, investigações, punições!? Até que ponto chega a indiferença ao crime? 

Recordemos alguns fatos. A comissão de ética julgou (com direito a todas as formalidades legais e trâmite burocrático) e condenou 18 deputados por quebra de decoro parlamentar envolvidos no escândalo do mensalão. Dos 18 deputados, apenas 4 foram cassados. O congresso teve o desplante de absolver criminosos sequencialmente, com direito a dança da pizza. Entre os deputados cassados, está o ex-ministro da casa civil, José Dirceu, companheiro de longa data do presidente Lula, ainda hoje, trabalhando nos bastidores do PT. Cara-de-pau ainda maior é o senhor ex-presidente afirmar que não existe nada de concreto contra o companheiro José Dirceu e que sua cassação foi pura "intriga da oposição", ignorando levianamente o fato de Dirceu impugnar o uso de provas (como suas movimentações bancárias) por não terem sido obtidas através de mandato judicial. 

Em que lugar do mundo isto é ético? Onde está o impeto investigativo do governo que tentou coagir o senado a não aprovar a CPI dos Correios, a ponto de levar um de seus membros (senador Eduardo Suplicy do PT-SP) aos prantos votar contra as orientações da  direção do partido? 

O governo não foi o único culpado. É evidente o amadorismo da oposição. O discurso acadêmico do PSDB não conseguiu sensibilizar o povo a tomar as ruas e protestar, como o PT fazia nos tempos de oposição. Uma oposição elitista, isolada em torres de marfim edificadas em ares de superioridade intelectual, nada vale para politizar o povo analfabeto, agora calado a ouvir a agonia da ética no cenário político.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Expressões, preconceito e racismo

Expressões preconceituosas e racistas Antes de alguma outra frase, primeiro peço licença para falar de mais um assunto do qual não domino. Falo por acreditar que um leigo presta serviço maior ao debater assunto com base em fontes (ainda que seja uma Wikipedia) e no pensamento lógico do que simplesmente se manter mudo a questões do cotidiano. Em voga agora está em falar quais são ou eram as expressões preconceituosas e racistas que até a pouco eram toleradas em muitos meios.
Como é covarde dizer que em boca fechada não entra racismo. O racismo não é perpetrado apenas por quem profere mas por quem se cala à agressão perpetrada a outrem. Mas veremos que a questão é muito mais complexa que os cães raivosos do politicamente correto querem dizer.
Tomo aqui a palavra racista, como sendo algo usado para impor a dominação de uma “raça” sobre outra. Portanto, a acusação de racismo vai muito além da mera acusação de preconceito. Não tenho o menor apreso por vitimismo barato, onde expressões que…

Um texto pós-moderno - better man

Espere olhando para as horas... são 4 horas. Tem que parar. Nesse tom melancólico, começa a modesta música "better man", uma balada pop composta por Eddie Vedder ainda na adolescência. A música é a ilustração perfeita da ironia. O próprio título é irônico, uma vez que em momento algum na música aparece um better man.

She lies and says she's in love with him, can't find a better man...

Irônico, não!? Para começar, com a personagem central da história, a mulher que aguarda tarde da noite seu esposo... Ela chega a treinar com o espelho o fim do relacionamento. E o que faz? Diz a negação do que queria dizer.

Vedder escreve músicas sobre sentimentos fortes. Sua relação com a mãe foi bastante complicada pelo o que descreve em suas canções. Na trilogia Mommy, Vedder descreve um homem perturbado com o relacionamento materno; a mãe mente para o filho sobre a identidade do pai, revela a verdade para o garoto na puberdade dizendo a ele como se parece com o verdadeiro pai e o leva …

Filme: Obrigado Por Fumar

Obrigado Por Fumar (Thank you for Smoking) - 2006Filme escrito e dirigido por Jason Reitman, produzido por David Sacks e baseado na novela de Christopher Buckley. Duração de 92 minutos.
"Obrigado Por Fumar" é um aclamado filme, vencedor do globo de ouro 2006 e sucesso em bilheterias (com faturamento superior a 39 milhões de dólares). O filme conta a história de Nick Naylor (Aaron Eckhart), vice-presidente da empresa Academia do Estudo do Tabaco, um lobby da indústria tabagista, e como ele usa suas habilidades de persuação para defender os interesses de seus superiores.
Direção muito interessante: ao contrário do que se pode esperar, o filme não mostra um quadro contaminado por fumaça em que o próprio telespectador tenha dificuldades em respirar. Aliás, o filme não mostra nehuma pessoa fumando. Também não faz uma crítica raivosa à indústria do cigarro. Seus argumentos são sutis, inteligentes e bem-humorados. Mas, a mensagem não passa despercebida pelo público, apenas não o agri…