Pular para o conteúdo principal

Discussões de 2012

Eu deveria criar um post para cada discussão aqui, mas não encontro tempo para desenvolve-las como elas merecem. Turbilham em minha mente algumas ideias, e discussões inacabadas com amigos que tenho grande apreço ( +Fabricio Leotti  e +Júlio Cesar de Melhado e Lima ).

Egoísmo, preservação ecológica, moralidade

A primeira discussão  esbarra na questão da "ecologia" (as aspas duplas são muito necessárias aqui).  O termo ecologia,  gasto como pano de chão num mercado público, é usado como aforismo para defender ideias como: "O planeta é mais importante do  que a gente", "experimentos que posam lesar animais, não devem ser tolerados".

Reações extremas levam a contra-reações extremas. A primeira frase ganha críticas como: não é a gente  que precisa defender o planeta, e a gente que precisa se defender do planeta. A Terra, o planeta azul que circula o Sol, deve existir por mais tempo que nossa espécie ou qualquer espécie que nela possa residir. É bem possível que nossa arrogante espécie não seja a última sobrevivente das espécies a persistir nesse planeta. Mas essas duas últimas frases me soam como resposta feita com base numa interpretação estreita. Não estamos preocupado com a vida de protozoários, amebas e outros seres estranhos que dominam a biomassa. Nossa empatia visa certas espécies que correm sim riscos de eliminação por intervenção humana (direta ou indireta).

O Fabricio propõe o seguinte exercício (desculpe Fabricio, não vou lembrar ipsis litteris o que você falou mas tentarei, a medida do possível, preservar a ideia central, ou ao menos, a ideia central que entendi): "Mostre que não é por egoísmo a vontade de preservar o 'planeta' ".

Excelente proposição. Não é possível fugir do egoísmo... A auto-preservação é um sentimento egoísta. Preservar espécies semelhantes é egoísmo da parte comum entre nossos genes.  Querer um mundo "melhor", querer um mundo menos cinza é egoísmo puro de nossa vaidade. Querer é verbo egoísta: não importa o que os outros queiram. Eu quero, mesmo que eu queira o que os outro querem. Mas, deixo a seguinte observação aqui: por mais que gritem os nossos genes, não é autopreservação (desses genes) a única força que motiva desejo "ecológico" (de preservar borboletinhas azuis, foquinhas brancas, etc)...

Proponho a seguinte questão: Se o universo começasse a esfriar, de tal maneira que todos os seres orgânicos fossem inevitavelmente "mortos", qual futuro o ser humano iria preferir: Um, que computadores inteligentes pudessem viver, e pudessem refletir sobre a existência ou em outro que nem mesmo seres cibernéticos pudessem viver? Parece-me que nos conforta saber que as ideias serão preservadas.

Se fosse possível fazer upload de nossas memórias para um outro "invólucro" (como o conto que minha esposa +Karina Negreiros  um dia me descreveu)  ou se fosse possível clonar nossa material genético, qual dessas opções de imortalidade iria nos parecer mais interessante? Meus genes podem espernear ou mesmo pular do precipício agora, mas eu ficaria com a primeira opção.




Comentários

knegreiros disse…
"Mas obviamente a vida nem sempre é horrível. Muitas criaturas cooperam, cuidam e vivem em paz, e os humanos em particular encontram aconchego e alegria em sua família, amigos e comunidades. Isso também deveria ser do conhecimento dos leitores de 'O Gene Egoísta' e de outros livros sobre a evolução do altruísmo que vêm aparecendo desde a publicação do livro de Dawkins. Há várias razões para que possa evoluir nos organismos a disposição para fazer boas ações." Steven Pinker - Tábula Rasa
knegreiros disse…
"Para uma máquina de sobreviver, outra máquina de sobreviver (que não seja seu filho ou outro parente próximo)é parte de seu ambiente, como uma pedra, um rio ou um bocado de alimento. É algo que barra o caminho ou algo que pode ser explorado. Difere de uma pedra ou de um rio em um aspecto importante: tende a revidar. Isso porque também é uma máquina que possui genes imortais ali depositados para o futuro, e que também não se deterá diante de nada para preservá-los. A seleção natural favorece genes que controlam suas máquinas de sobrevivência de modo que elas façam o melhor uso de seu ambiente. Isso inclui fazer o melhor uso de outras máquinas de sobrevivência, da mesma espécie e de espécies diferentes. " Richard Dawkins

Postagens mais visitadas deste blog

Um texto pós-moderno - better man

Espere olhando para as horas... são 4 horas. Tem que parar. Nesse tom melancólico, começa a modesta música "better man", uma balada pop composta por Eddie Vedder ainda na adolescência. A música é a ilustração perfeita da ironia. O próprio título é irônico, uma vez que em momento algum na música aparece um better man. She lies and says she's in love with him, can't find a better man... Irônico, não!? Para começar, com a personagem central da história, a mulher que aguarda tarde da noite seu esposo... Ela chega a treinar com o espelho o fim do relacionamento. E o que faz? Diz a negação do que queria dizer. Vedder escreve músicas sobre sentimentos fortes. Sua relação com a mãe foi bastante complicada pelo o que descreve em suas canções. Na trilogia Mommy, Vedder descreve um homem perturbado com o relacionamento materno; a mãe mente para o filho sobre a identidade do pai, revela a verdade para o garoto na puberdade dizendo a ele como se parece com o verdadeiro pai e o

Pequeno manual do ócio em terras alemãs

  Pequeno manual do ócio em terras alemãs Como Lei alemã favorece aproveitadoras (e alguns aproveitadores que nunca tive o desprazer de conhecer)   Há algumas vias pelas quais pessoas de países em desenvolvimento migram para países como a Alemanha.   Por exemplo, é sabido que países desenvolvidos sofrem de escassez de mão-de-obra qualificada. Por esse motivo, países como a Alemanha dispõe vistos "especiais" para profissionais em demanda. Esse é o conceito do Blaukart (Blue Card) que na Alemanha se destina a profissionais salário anual seja superior a 55 mil euros ou 43 mil no caso de profissionais de áreas em alta demanda. Não há como recrutar essa mão-de-obra sem que a família desses profissionais também possa ser relocada. Então esses profissionais e seus familiares são relocados.   Além de se qualificar para essas vagas em demanda, ou ser parte direta da família qualificada, outra via possível para a imigração para o território alemão é através do matrimôni

Answering: top reasons I hate living in Brazil

Yes, some guys shared a teasing topic about “Top reasons why I hate living in Brazil”: http://www.gringoes.com/forum/forum_posts.asp?TID=17615&PN=1&title=top-reasons-i-hate-living-in-brazil What is the point here? The whole text is loaded of cliclés, people that you will hardly find, etc most of time just pissing people off.   I don’t think Brazil is the best country in the world. Also, I don’t think Brazilians don’t make mistakes. Actually we do all the time but most of us really care about our mistakes specially those were pointed out. Some feel like an expatriate, alien in own country. Others reflect about how we could improve. Others  simply don’t accept teases from John Does. So, I’m actually truly bothered with people believing in a bunch of false statements (specially Brazilians) or supporting some cynical arguments disguised “sincere” criticisms . Yes, I make mistakes all the time, and as most of Brazilians, I don’t speak English. However, I will