Pular para o conteúdo principal

Maioridade Penal

Dando continuidade a minha vontade de amarrar pontas dialéticas deixadas em 2012, volto a um tema proposto pelo +Júlio Cesar de Melhado e Lima  em seu post em 6 de Novembro de 2012 no Facebook.

O post é tão bom que vou transcreve-lo aqui:
Para você que pensa que a maioridade penal deva ser reduzida, dos atuais 18 anos, para 16a, 14a, ou menos. No que você se baseia? 

Eu sou contra, e baseio minha opinião em um raciocinio simples de entender.
Até o início da terceira década de vida, por volta dos 20 e poucos anos, o ser humano ainda não possui o seu cortex frontal totalmente desenvolvido. 

E é este cortex pré-frontal, segundo a neurociência, o responsável por nossas funções cognitivas mais complexas, como personalidade, pelo raciocinio, pela avaliação de fatos, consequências, pelo controle de impulsos, etc. 
Ou seja, sem o cortex pré-frontal totalmente desenvolvido, a criança e o adolescente não é capaz de executar plenamente estas funções.

Ora, assim como um deficiente mental não pode ser imputado responsabilidade penal, por ser incapaz, o menor de 20 e poucos anos também não é capaz de avaliar corretamente as consequências do seus atos, ou ainda, pode não ser capaz de controlar os impulsos, medir as consequências adequadamente, etc.

Assim, cientificamente, não faz sentido punir-lo.

E você, em que baseia a sua opinião?
 Penso que algumas "hipérboles" usadas no final da construção argumentativa prejudicam um pouco a ideia geral. O primeiro pecado é dizer que não deve haver punição para pessoas menos capazes. O pai, passando um sermão, estipulando um castigo é uma punição que sim, deve ser aplicada ao menor na maioria dos casos para inclusive seu melhor "desenvolvimento". Mas, no parágrafo anterior o "erro" é mais sutil.

O menor de 20 e poucos anos também não é capaz de avaliar corretamente as consequências do seus atos, ou ainda, pode não ser capaz de controlar os impulsos, medir as consequências adequadamente, etc.

(Sejamos minimamente lenientes e interpretemos o segmento "o menor de vinte e poucos não é capaz de", como dizendo que "não é possível afirmar que todos os menores de vinte e poucos anos serão capazes de")

O fato do cortex pré-frontal não estar plenamente desenvolvimento não IMPLICA que o menor não tenha as faculdades necessárias para avaliar consequência de atos ou para controlar seus impulsos.  Pode, não fazer isso em sua plenitude (embora, a proposição colocada no terceiro parágrafo não não tenha colocado dessa maneira) mas quanto dessa capacidade seria necessário para compreender quão terrível é matar? O que se espera de um jovem de dezoito anos? E o de catorze?

Os juristas lançam a questão da capacidade do indivíduo na questão da imputabilidade:
 “Imputável é o sujeito mentalmente são e desenvolvido que possui capacidade de saber que sua conduta contraria os mandamentos da ordem jurídica.” (JESUS, Damásio E. de. Direito Penal. Parte Geral. São Paulo: Saraiva, v. 1.)"
Por essa leitura, minha filha de onze anos poderia ser imputável. A mais, por que deveríamos esperar um psicopata,  com alguma anormalia irreversível no cortéx pré-frontal, chegar a maioridade para que seja imputável. Pelo raciocínio do Julio, esse indivíduo nunca seria imputável quando na verdade a sociedade deveria se proteger desse indivíduo o quanto antes.

O que nos remete ao começo da discussão.

Na verdade, embora tenha passado rapidamente pela questão do castigo, penso como sendo esse o  ponto principal da discussão. O código penal ao impor a um indivíduo sua reclusão não está o punindo como forma de vingança. A intenção do código é  fundamentalmente a manutenção da sociedade. Para isso, a justiça tenta coibir ações danosas, afastar a sociedade do perigo de pessoas desajustadas ao seu convívio e ajudar no "recuperação" de pessoas  (claro, quando isso é possível). A punição, como foi dito, pode colaborar como o desenvolvimento do indivíduo:
Uma pessoa que não tem medo diante de ameaças e que não sente indignação está mais vulnerável ao comportamento corrupto.[1]
Por todos essas questões, eu concordando com o Julio acredito que, a efetivade e o rigor das punições devam ser discutida de forma separada a maioridade penal. Enquanto em uma discussão quer-se saber qual a forma mais apropriada para tratar o agente que comete ato punível, na outra quer-se saber em que momento o indivíduo desenvolveu seu ponto máximo para compreender sua conduta. Há de se convir que não é necessário chegar ao máximo, para o agente tenha responsabilidades sobre seus atos.

Editado: Ao que parece, o desejo pelo redução da maioridade penal é na verdade o desejo pela adequação do código para que punições mais efetivas (algumas vezes mais severas) sejam aplicadas aos menores de dezoito anos. É uma distorção, uma injustiça e um erro não punir de forma adequada esses indivíduos mas é também uma distorção qualificar o menor como se tivesse as mesmas capacidades e responsabilidades do adulto.

Editado2: Peço desculpas ao Julio porque tive (muito) mais tempo para escrever e editar esse texto do que ele teve para fazer seu post, que foi mais uma reação as correntes que pedem de forma quase injustificada a redução da maioridade penal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Um texto pós-moderno - better man

Espere olhando para as horas... são 4 horas. Tem que parar. Nesse tom melancólico, começa a modesta música "better man", uma balada pop composta por Eddie Vedder ainda na adolescência. A música é a ilustração perfeita da ironia. O próprio título é irônico, uma vez que em momento algum na música aparece um better man. She lies and says she's in love with him, can't find a better man... Irônico, não!? Para começar, com a personagem central da história, a mulher que aguarda tarde da noite seu esposo... Ela chega a treinar com o espelho o fim do relacionamento. E o que faz? Diz a negação do que queria dizer. Vedder escreve músicas sobre sentimentos fortes. Sua relação com a mãe foi bastante complicada pelo o que descreve em suas canções. Na trilogia Mommy, Vedder descreve um homem perturbado com o relacionamento materno; a mãe mente para o filho sobre a identidade do pai, revela a verdade para o garoto na puberdade dizendo a ele como se parece com o verdadeiro pai e o

Pequeno manual do ócio em terras alemãs

  Pequeno manual do ócio em terras alemãs Como Lei alemã favorece aproveitadoras (e alguns aproveitadores que nunca tive o desprazer de conhecer)   Há algumas vias pelas quais pessoas de países em desenvolvimento migram para países como a Alemanha.   Por exemplo, é sabido que países desenvolvidos sofrem de escassez de mão-de-obra qualificada. Por esse motivo, países como a Alemanha dispõe vistos "especiais" para profissionais em demanda. Esse é o conceito do Blaukart (Blue Card) que na Alemanha se destina a profissionais salário anual seja superior a 55 mil euros ou 43 mil no caso de profissionais de áreas em alta demanda. Não há como recrutar essa mão-de-obra sem que a família desses profissionais também possa ser relocada. Então esses profissionais e seus familiares são relocados.   Além de se qualificar para essas vagas em demanda, ou ser parte direta da família qualificada, outra via possível para a imigração para o território alemão é através do matrimôni

O argumento anti-álcool

A lógica contra a produção do álcool é mais ou menos a seguinte: Os produtores capitalistas, produtores do combustível de humanos e máquinas irão preferir vender combustível mais caro para os mais ricos do que comida barata para os mais pobres. Máquinas e homens irão competir por combustível... Mas enquanto os ricos terão dinheiro para comprar comida e combustível o que sobrará aos pobres!? Vale lembrar que não importa se a produção é de cana ou de milho, a competição é pela terra e não pelo grão. Ainda, mesmo que o país agrícola taxe o produtor de combustível de maneira diferenciada ao produtor de comida, o governo teria maiores dificuldades em repartir o "bolo", haja vista que os governos que temos não são as instituições mais eficientes e, além do que, a comida estará mais cara. Ora, esquecem os "amigos" comunistas que a venda de biocombustível dará aos países agrícolas uma oportunidade ímpar de participar da economia mundial como protagonistas, e não meros fi